20 anos sem Senna
01/05/2014 17:08

Senna não resiste a ferimentos em consequência de gravíssimo acidente em Ímola e morre aos 34 anos

Lesões neurológicas de Ayrton Senna foram irreparáveis, e cerca de três horas após o acidente em Ímola, as funções vitais do piloto, dono de três títulos mundiais da F1, encerraram-se
Warm Up
PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
Aos 34 anos de idade, Ayrton Senna da Silva, três vezes campeão mundial de F1 e considerado um dos melhores de todos os tempos atrás de um volante, não resistiu aos ferimentos consequentes à colisão com o muro que limita o autódromo Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, na curva Tamburello, nesse domingo (1). As funções vitais e os batimentos cardíacos do piloto se encerraram às 13h40 (de Brasília), no Hospital Maggiore, em Bolonha. Ayrton Senna morreu.

Ninguém poderia imaginar, quando a F1 chegou a Itália, alguns dias atrás, que se avizinhava um final de semana dessa natureza. Sombrio no sábado, o GP de San Marino recebeu um desfecho ainda mais trágico no domingo.  O anúncio da morte de Senna foi feito pela Dra. Maria Tereza Fiandri, a mesma médica que vinha atualizando todos os presentes no Maggiore sobre os boletins médicos do piloto. A morte cerebral já havia sido confirmada antes, após um eletroencefalograma e uma tomografia.
Ayrton Senna conquistou o Mundial de F1 três vezes, em 1988, 1990 e 1991. Brasileiro venceu 41 GPs e largou na pole 65 vezes, um recorde (Foto: Rainer W. Schlegelmilch/Getty Images)
 O acidente aconteceu no sétimo giro da corrida, logo após o safety-car deixar a pista, liberada dos destroços que ficaram do acidente entre Pedro Lamy e JJ Lehto na largada. Senna liderava a prova, trazendo Michael Schumacher e o companheiro Damon Hill em seu encalço, quando deveria contornar a primeira curva do traçado. Não se sabe exatamente o porquê, possivelmente por uma falha mecânica, Ayrton passou direto e pegou quase frontalmente no muro.

Ainda na pista, a equipe médica constatou perda de massa encefálica e realizou uma traqueostomia no piloto, que sofrera parada cardíaca. Senna foi encaminhado ao Maggiore de helicóptero. Recebeu uma transfusão sanguínea que o manteve vivo por mais algumas horas, com funções vitais e respiração estáveis. Porém, não havia mais atividade neurológica.
Senna tentava vencer pela quarta vez no GP de San Marino (Foto: Getty Images)
O fim de semana em Ímola põe a F1 no olho do furacão após um de seus finais de semana mais sombrios. Rubens Barrichello escapou na Variante Bassa, ainda no primeiro treino livre, na sexta, e bateu no alto da barreira de pneus. Machucou nariz e braço, mas não de forma grave. Roland Ratzenberger não teve a mesma sorte no sábado. Sua Simtek danificou o aerofólio dianteiro após o austríaco passar por uma zebra. Na volta seguinte, na curva Villeneuve, a peça se desprendeu, Ratzenberger não teve ingerência sobre o carro, saiu reto, de encontro ao muro, e numa cena forte ficou com o pescoço caído dentro do cockpit. Foi o primeiro acidente fatal num carro de F1 desde Elio de Angelis, num teste em Paul Ricard em maio de 1986.

O domingo teve ainda espectadores machucados por partes dos carros de Pedro Lamy e JJ Lehto e mecânicos de Ferrari e Lotus lesionados por um pneu que se soltou da Minardi de Michele Alboreto após o último pit-stop do italiano.

No Brasil, o presidente da República, Itamar Franco, já havia dito que acompanhava "com tristeza e desolação" o desenvolvimento do caso.

O corpo de Senna deverá seguir para o Instituto Médico Legal (IML) de Bolonha nas próximas horas.

Últimas Notícias
domingo, 19 de novembro de 2017
Stock Car
Stock Car
Brasileiro de Marcas
Stock Car
Stock Car
Endurance
Rali
Nascar
Brasileiro de Turismo
Motociclismo
Endurance
F3
Motociclismo
Stock Car
F1
Galerias de Imagens
Facebook