F-E
08/02/2017 13:28

Após pódio em Marrakech, Rosenqvist põe vitória em temporada de estreia na F-E como “meta realista”

Felix Rosenqvist é o novato sensação da F-E nesta terceira temporada. O substituto de Bruno Senna na Mahindra foi à Superpole em Hong Kong e fez a pole em Marrakech, depois terminando a corrida no pódio. Agora, a meta do sueco é simples: ganhar uma corrida em seu primeiro ano de categoria
Warm Up
Redação GP, do Rio de Janeiro
 

Felix Rosenqvist chegou à F-E e rapidamente se tornou uma sensação na categoria. Uma pole-position e um pódio depois, em Marrakech, além de um forte rendimento de classificação em Hong Kong, coloca o sueco como o novato que mais recebe atenção. E Rosenqvist afirma: pensar em vitória é OK.
 
Segundo Felix, campeão da F3 Euro em 2015 e que deixou o DTM para focar no campeonato dos monopostos elétricos, só é possível que pilotos entendam direito do que se trata a F-E após correram uma corrida. Avalia que o nível de competição é tão forte que o da F1, algo que não imaginava antes de tomar o volante do carro da Mahindra.
 
"É um campeonato muito complicado. Você realmente precisa estar aqui na F-E para entender o que ela é e o quão desafiadora. Eu sabia quando cheguei, no verão europeu, que o nível dos pilotos era alto - com o nível de qualidade da F1. É muito competitivo", disse o substituto de Bruno Senna.
 
Após o bom final de semana no Marrocos, Rosenqvist prega o cuidado e sabe que sua desvantagem aumenta ao guiar por pistas já carimbadas na categoria, mas mesmo assim garante que almejar uma vitória na temporada de estreia não é algo além da conta.
 
"Nunca quero ser confiante além da conta, e talvez Marrakech tenha se encaixado com a gente naquele momento, mas uma coisa que eu precisa ter em mente é que as primeiras duas pistas que visitamos foram mais ou menos novas para todo mundo. Isso me ajudou como novato", avaliou.
Felix Rosenqvist (Foto: F-E)
"Agora vamos a Buenos Aires e, diferente dos primeiros dois circuitos, a maioria dos pilotos já conhece a pista. Mas estaremos no simulador na semana que vem - e temos ido bem nessa área - para nos preparamos para a Argentina", seguiu.
 
Após liderar em Marrakech já na segunda parte da corrida - e ser ultrapassado por Sébastien Buemi e Sam Bird -, Rosenqvist contou que a Mahindra se juntou para entender como poderia melhorar. Afinal, a derrota aconteceu entre estratégia e complicações de software. Segundo contou, o time começa 2017 mais forte.
 
"Sentamos enquanto time e sabemos o que precisamos melhorar e nos cometer os mesmos erros. Como sempre no automobilismo, você aprende com a experiência, e isso deve fazer a diferença quando entrarmos numa boa posição como aquela em que possamos lutar por uma vitória novamente. Acho que esse precisa ser nosso foco - sinto que é uma meta realista agora", encerrou.
 
A F-E volta com o eP de Buenos Aires de 18 de fevereiro - que o GRANDE PRÊMIO acompanha 'in loco'. 

Últimas Notícias
domingo, 26 de março de 2017
Nascar
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
Outras
MotoGP
MotoGP
F1
F1
F1
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook