F-E
22/12/2016 12:12

Di Grassi diz que divisão de pilotos entre F-E e WEC se tornou incômoda e crava: “No futuro, terão que escolher”

Lucas Di Grassi não acredita que a divisão de pilotos entre a F-E e o WEC vão demorar muito mais. Fora do Mundial de Endurance com a saída da Audi, Di Grassi vê a F-E como cada vez mais uma categoria que exige o foco dos pilotos, e acha que logo, guiar pelas duas será impraticável
Warm Up
Redação GP, do Rio de Janeiro
 

Lucas Di Grassi irá focar apenas na F-E a partir de 2017. Com a saída da Audi do WEC, o vice-campeão do Mundial de Endurance resolveu que a F-E será o único campeonato em que vai disputar a temporada completa. Mas mais que isso: Di Grassi acredita que a categorias dos monopostos cresceu o bastante para dificultar que pilotos se dividam entre ela e outra categoria do tamanho do WEC.
 
Segundo Di Grassi, as equipes da F-E, cada vez mais abastecidas por montadoras, avaliam como prioridade que os pilotos disputem até o final. Em casos como o conflito de datas de julho de 2017, quem optar por guiar no WEC perderá não apenas uma corrida da F-E, mas as duas da rodada dupla de Nova York. É uma pontuação alta demais para quem pensa em conquistar título.
 
"Todo mundo quer ter uma escalação completa na F-E, e alguns times têm um grande problema. Especialmente porque não é só uma corrida, são duas. Quem deixar de correr na F-E pelo WEC, bom, é escolha deles. Um carro LMP1 pode ser guiado por dois pilotos numa corrida de seis horas. Fizemos isso ano passado em Nürburgring quando Benoît [Tréluyer] se machucou", lembrou em entrevista ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Di Grassi é recebido com festa (Foto: Reprodução)
"Acho que depende de como o campeonato está. Se você não tem chance de ser campeão numa das categorias mas tem na outra, a decisão é bem fácil. Mas eu sei que os contratos obrigam os pilotos a priorizar um campeonato ou outro. Para o pessoal que guia por fábricas diferentes é muito mais difícil", declarou.
 
"No futuro, creio que terão que escolher um ou outro. A F-E está se tornando cada vez mais séria, exigindo muitos esforços e recursos - e isso inclui pilotos", seguiu.
 
Mas e o próprio Di Grassi, vai correr só as provas da F-E? Segundo ele, não. Quer fazer o que chamou de "provas especiais", mas nada de outro campeonato.
 
"Tenho uma proposta das 24 Horas de Daytona, e gostaria de correr as 24 Horas de Nürburgring e o Campeonato Mundial de GT em Macau. Não quero outro campeonato completo em paralelo, mas adoraria correr algumas provas durante o ano. Isso é provavelmente o que eu farei no futuro. Se eu puder voltar a Le Mans com uma chance de vencer, definitivamente vou. Já estou em conversas no paddock e, se alguns times colocarem um terceiro carro, talvez me convidem", encerrou.

Últimas Notícias
domingo, 26 de fevereiro de 2017
Nascar
F1
F1
F1
Nascar
MotoGP
F1
F1
F1
F1
Rali
F1
Superbike
MotoGP
sábado, 25 de fevereiro de 2017
F1
Galerias de Imagens
Facebook