F1
04/02/2016 12:35

Associação dos Pilotos comemora intenção da FIA em adotar maior proteção ao cockpit na F1 a partir de 2017

Segundo informa a emissora britânica BBC, a FIA disse às equipes, na esteira de uma reunião com diretores-técnicos das equipes da F1, que vai mesmo optar por adotar o ‘halo’, desenvolvido pela Mercedes, já visando a temporada de 2017. A postura da entidade agradou a Associação dos Pilotos, liderada pelo austríaco Alexander Wurz
Warm Up
Redação GP, de Sumaré
A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) caminha mesmo para adotar uma proteção maior à cabeça dos pilotos nos cockpits dos carros de F1. Segundo informa a emissora britânica BBC, o desejo da entidade é mesmo introduzir, a partir do ano que vem, o dispositivo ‘halo’, desenvolvido pela Mercedes, que compreende uma cobertura parcial do cockpit. A decisão foi muito comemorada pela Associação dos Pilotos da F1, a GPDA, por meio do seu presidente, o austríaco Alex Wurz.
 
A GPDA liderou um movimento para pressionar a FIA em busca de proporcionar aos pilotos do grid uma proteção maior. A preocupação se tornou mais evidente depois de incidentes que resultaram em mortes em 2015: a de Jules Bianchi, resultado de um gravíssimo acidente no GP do Japão de 2014, e o acidente fatal de Justin Wilson nas 500 Milhas e Pocono da Indy.
FIA pretende adotar o 'halo', solução projetada pela Mercedes, para oferecer uma maior proteção ao piloto no cockpit já em 2017 (Foto: Reprodução)
Na esteira da reunião realizada na semana passada e que compreendeu a presença de diretores-técnicos das equipes da F1 e também da FIA, o projeto avançou e agora está numa fase de estudos para que se chegue a um consenso em termos de visibilidade, como Wurz pontuou em entrevista à emissora britânica.
 
“Obviamente, os pilotos estão felizes que os representantes da equipe técnica concordaram com uma proteção adicional para a cabeça a ser adotada para 2017 seguindo a recomendação dos pilotos e a pesquisa da FIA”, comemorou o ex-piloto.
 
“Agora nós vamos entrar na fase de projeto, onde os pilotos precisam estar abertos a um espectro de visibilidade um pouco diferente devido à estrutura adicional. Particularmente, estou curioso para ver como as equipes vão encontrar uma nova solução que pareça bacana e rápida”, acrescentou.
 
No Paddock GP #15, exibido ao vivo na última terça-feira (2), Lucas Di Grassi, convidado especial do programa de debates do GRANDE PRÊMIO, deu sua opinião a respeito do tema. Na visão do piloto da Audi no Mundial de Endurance e na F-E, é preciso ignorar a tradição e considerar a segurança dos pilotos, afirmou, defendendo a introdução do cockpit fechado na F1, que é visto por Lucas como “o futuro” também em termos aerodinâmicos.
 
VEJA A EDIÇÃO #15 DO PADDOCK GP, COM LUCAS DI GRASSI




Últimas Notícias
domingo, 22 de outubro de 2017
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
Stock Car
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook