F1
02/01/2017 07:09

Chefe da Mercedes não descarta Ferrari da briga em 2017 e diz que novo regulamento pode mudar hierarquia da F1

Toto Wolff se recusou a descarta a Ferrari da briga na F1 em 2017. O chefão da Mercedes entende que os rivais italianos podem surpreender e voltar a incomodar, especialmente devido à introdução do novo regulamento técnico
Warm Up
Redação GP, de Leipzig
 

Chefe da Mercedes, Toto Wolff acredita que é impossível descartar a rival Ferrari da briga para temporada 2017 da F1, especialmente devido à mudança radical das regras técnicas do esporte. 
 
A equipe alemã domina a F1 há três temporadas, desde que o Mundial entrou na fase dos motores V6 híbridos. E só a marca conquistou títulos de Pilotos e Construtores até agora. A esperança é que, com um novo regulamento, outras escuderias possam entrar em uma disputa mais acirrada com a montadora da estrela de três pontas.
 
E apesar de a escuderia italiana ter vivido uma temporada difícil em 2016, Wolff acha que o time pode surpreender e voltar a se mostrar perigoso no campeonato que começa em março. "Em 2012 e 2013, a Mercedes não era favorita, então veio a mudança de regulamento e fomos bem-sucedidos", disse o austríaco em declaração ao jornal 'La Gazzetta dello Sport'.
Os chefões de Mercedes e Ferrari, Toto Wolff e Maurizio Arrivabene (Foto: Beto Issa)

"E isso pode muito bem acontecer agora com a Ferrari. Eles têm um grande potencial e recursos para voltar a ter um nível de competitividade elevado", completou.
 
A Ferrari apresentou uma grande evolução em 2015, quando venceu três vezes com Sebastian Vettel, mas, no ano passado, acabou sofrendo um revés com a perda do diretor-técnico James Allison e se viu em uma queda de rendimento, perdendo o segundo lugar no Mundial de Construtores para a Red Bull. A posição do engenheiro agora pertence a Mattia Binotto, que ocupou anteriormente o posto de chefe do setor de motores da equipe vermelha. 
 
A decisão dos italianos em promover profissionais da casa também foi exaltada por Wolff. "Eles se concentraram em ser uma equipe italiana. Para mim, isso é um valor agregado, não uma restrição. A Ferrari não precisa de mercenários. Estou convencido de que as decisões tomadas por Sergio Marchionne e Maurizio Arrivabene estão colocando o time em uma direção correta", encerrou.

Últimas Notícias
sábado, 25 de março de 2017
Nascar
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
F1
F1
MotoGP
Nascar
F1
Galerias de Imagens
Facebook