F1
08/01/2017 12:45

Chefe da Toro Rosso revela ritmo intenso com trabalho em três turnos para deixar novo carro pronto antes da pré-temporada

A Toro Rosso corre contra o tempo para deixar o novo STR11 pronto em tempo de realizar os testes de pré-temporada no fim de fevereiro em Barcelona. Para cumprir com o objetivo, Franz Tost, chefe do time de Faenza, determinou um regime intenso de trabalho, de 24 horas durante os sete dias de semana até meados do mês que vem para que tudo fique pronto em tempo hábil
Warm Up
Redação GP, de Sumaré
 
Passadas as férias de fim de ano, as equipes começam a trabalhar de forma mais intensa para finalizar o processo de desenvolvimento e construção dos novos carros visando a temporada 2017 do Mundial de F1. Enquanto a Force India já está bastante avançada em seus trabalhos com o novo VJM10, inclusive com o êxito no crash-test obrigatório da FIA, a Toro Rosso corre contra o tempo para deixar tudo pronto. 
 
Assim, durante um mês, entre meados de janeiro e metade de fevereiro, haverá um plano diferenciado de trabalho em Faenza: três turnos e 24 horas por dia nos sete dias da semana. Todos os esforços são para deixar o novo STR11 pronto em tempo para realizar os testes de pré-temporada no fim de fevereiro, a partir do dia 27, no circuito de Barcelona.
 
A Toro Rosso terá uma mudança importante em 2017. Nesta temporada, depois de fazer uso da unidade de potência defasada (de 2015) da Ferrari, a escuderia vai voltar a ser parceira da Renault, que fornecerá os motores novos, a mesma versão oferecida também à Red Bull e à própria equipe de fábrica da Renault. 
A Toro Rosso de Franz Tost não vai medir esforços para deixar o novo carro pronto antes dos testes de inverno (Foto: Beto Issa)
Tudo, na visão de Franz Tost, chefe de equipe da Toro Rosso, faz com que a equipe tenha de correr contra o tempo nesta fase final de concepção do novo carro taurino de Faenza.
 
“Quanto à produção, nós vamos ter de trabalhar 24/7 por um período. A partir do meio de janeiro até metade de fevereiro nós vamos trabalhar em três turnos por dia”, comentou o dirigente austríaco em entrevista à revista britânica ‘Autosport’.
 
“É um período muito curto porque é tudo muito intenso em nível de custos”, citou Tost, fazendo referência também ao aumento da produção e do consequente aumento dos custos neste período de maior intensidade antes do começo da temporada, quando os carros são concebidos.
 
Tost citou o tempo especialmente apertado para desenvolver o novo carro, que neste ano será completamente diferente das últimas temporadas em razão da adoção do novo regulamento técnico. Na visão do dirigente, cada dia é crucial na concepção do novo projeto.
 
“É complicado quando o departamento de aerodinâmica não solta os desenhos e eles querem simplesmente ganhar outro dia. É sempre algo complicado, mas isso se converte em um ganho de performance. Todo ano é a mesma história, nada muda. Contanto que você possa permanecer no túnel de vento e fazer a pesquisa e desenvolvimento, então isso pode trazer mais performance”, salientou.
 
“Esta é a diferença com uma equipe pequena: quando determinamos uma data limite, temos de parar porque, de outra forma, não poderíamos correr. Temos de decidir sobre os desenhos antes de uma determinada data porque sabemos que não é possível ir mais além porque nós estamos no limite”, finalizou o chefe da Toro Rosso, equipe que terminou a temporada 2016 do Mundial de F1 em sétimo lugar na disputa dos Construtores.
 


Últimas Notícias
sexta-feira, 23 de junho de 2017
Indy
F2
Indy
Indy
Indy
F1
F1
Indy
MotoGP
F1
F1
F1
F1
Indy
F1
Galerias de Imagens
Facebook