F1
18/03/2017 13:17

Ecclestone diz que comprometimento da Ferrari com F1 justifica prêmio extra de R$ 300 milhões por ano

Bernie Ecclestone explicou o bônus anual de US$ 100 milhões (cerca de R$ 300 mi) que a Ferrari recebe na F1. De acordo com o ex-chefão, o comprometimento da equipe italiana com o campeonato justifica a polpuda premiação
Warm Up
Redação GP, de Curitiba
 

Ex-homem forte da F1, Bernie Ecclestone defendeu seu papel na decisão de conceder o bônus anual de US$ 100 milhões (cerca de R$ 300 mi) à Ferrari, como forma de premiar a equipe italiana pela longevidade no campeonato.
 
A esquadra vermelha é única do grid que compete no Mundial desde a primeira temporada, em 1950 e, por isso, recebe a premiação extra em dinheiro, independentemente de sua classificação na tabela. O valor é o dobro do total recebido pela extinta Manor, por exemplo.
 
Só que agora esse acordo pode estar com os dias contados. Isso porque o novo proprietário da F1, o Liberty Media, expressou o desejo de suspender o pagamento do bônus. Mas em uma entrevista à Sky Sports News, Ecclestone explicou a origem do repasse do alto valor à Ferrari.
 
"Por que isso aconteceu? É muito simples: o antigo dono da F1, o grupo CVC, queria ter uma oferta pública na época. Queríamos ter a certeza antes de entrar no mercado que poderíamos garantir que as equipes permaneceriam no grid. Quando olhamos para todos os times para ver quem poderia realmente se comprometer até 2020 - porque muitas vezes, quando eles se comprometem, muitas equipes dizem 'tudo bem, vamos assinar', mas elas teriam assinado qualquer coisa e depois deixariam o esporte. Isso não faria diferença", explicou o ex-chefão do Mundial.
Sergio Marchionne, presidente da Ferrari, e Bernie Ecclestone (Foto: Getty Images)

"Mas conseguimos um compromisso real do topo de uma das maiores empresas, então eles precisavam ser recompensados por fazer parte de um compromisso de longo prazo. E eles disseram 'precisamos de algo para isso', e com razão. Então, foi isso o que aconteceu", completou.
 
Questionado se a Ferrari poderia deixar o esporte se o bônus fosse eliminado, o britânico afirmou que nada era para sempre. "Alguém me disse outro dia que, desde que a F1 começou, tivemos mais de 70 equipes, o que eu não acreditei, mas, por conhecer a pessoa que me disse, isso deve ser verdade."
 
"Nada é para sempre, então você não sabe...Se alguém perturbar a Ferrari, eles podem muito bem parar. Provavelmente, a Mercedes vai ganhar mais dois campeonatos, então talvez eles digam: 'Nós estivemos aqui e fizemos a nossa parte'", concluiu.
 
PADDOCK GP #69 DEBATE ABERTURA DA INDY, TESTES DA F1 E MOTOGP E LEMBRA JOHN SURTEES



Últimas Notícias
domingo, 23 de julho de 2017
Stock Car
Truck
Stock Car
Truck
Truck
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Nascar
Shell
F1
Brasileiro de Turismo
DTM
Truck
Truck
Galerias de Imagens
Facebook