F1
12/05/2016 11:01

Estado de saúde de Schumacher é considerado “frágil, mas não crítico”, afirma jornal espanhol

Na esteira dos muitos rumores ventilados nos últimos dias sobre a condição clínica de Michael Schumacher, o diário ‘Marca’ listou duas fontes ligadas ao heptacampeão e afirmou que “não há avanços, mas tampouco retrocessos” no seu estado de saúde, que não é crítico, dois anos e meio após o acidente sofrido na estação de esqui de Méribel, nos Alpes Franceses
Warm Up
Redação GP, de Sumaré
A informação publicada pelo site ‘News Every Day’ sobre uma possível piora no estado de saúde de Michael Schumacher dois anos e meio após o gravíssimo acidente sofrido na estação de esqui de Méribel, nos Alpes Franceses, não procede. É o que diz o diário espanhol ‘Marca’ em sua edição on line na manhã desta quinta-feira (12).
 
De acordo com o jornal, nada do que foi veiculado pelo site norte-americano está além de um mero rumor. Diz o ‘Marca’ “por fontes oficiais que o piloto alemão permanece na mesma situação que há vários meses, sem avanços notáveis em seu estado de saúde, frágil, com cuidados extremos para mantê-lo isolado, mas não crítico”.
Michael Schumacher trava luta pela vida há dois anos e meio (Foto: Getty Images)
“Não há avanços, mas tampouco retrocessos. Ele segue acordado em sua casa na Suíça, mas sem capacidade de contato com o mundo exterior, travando uma longa batalha que já dura dois anos e meio”, continuou o jornal.
 
Nos últimos dias, Jean Todt, ex-chefe de Schumacher nos ‘anos de ouro’ da Ferrari na década de 2000 e atual presidente da FIA, disse que o alemão “trava sua maior batalha na luta pela vida”. Foi a declaração mais relevante de uma personalidade próxima ao ex-piloto.
 
Internado em sua casa na suíça, Schumacher tem ao seu dispor uma unidade de tratamento intensivo no seu quarto. Fontes indicam que, entre os equipamentos usados na UTI doméstica e uma equipe de 15 especialistas que acompanham o heptacampeão mundial, a família já gastou aproximadamente R$ 45 milhões.
 
Em contrapartida, patrocinadores que outrora apoiavam Schumacher vão deixando o maior campeão da história da F1. O último deles foi a Erlinyou, fabricante chinesa de GPS. Empresas como a Navyboot e também a JetSet também deixaram de patrocinar o heptacampeão.
PADDOCK GP #28 DEBATE: QUAL É A REAL SOBRE SCHUMACHER?



Últimas Notícias
domingo, 10 de dezembro de 2017
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Brasileiro de Turismo
Brasileiro de Marcas
Brasileiro de Turismo
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Stock Car
F1
F1
Stock Car
Galerias de Imagens
Facebook