F1
29/12/2016 07:07

Há dez anos sem ser campeão, Alonso lembra rivalidade com Schumacher e diz: “Sinto falta de lutar pelo título”

A última vez que Fernando Alonso foi campeão mundial de F1 foi há dez anos, em 2006. De lá para cá, o espanhol até ficou perto em algumas oportunidades, como em 2010 e 2012, mas amargou o vice-campeonato. Aos 35 anos, Fernando conquistou bem menos títulos do que se esperava, mas deixou claro que ainda tem a vontade e a motivação para buscar mais na F1, ainda que esteja frustrado com seu atual momento na McLaren
Warm Up
Redação GP, de Sumaré
 
Cada vez mais se tem a impressão de que Fernando Alonso poderia ter sido muito mais do que é como piloto de F1. Dono de 32 vitórias e dois títulos mundiais, o espanhol de 31 anos sofreu com uma série de decisões que, muitas vezes, o colocaram no lugar errado e na hora errada e em equipes sem condições de lhe dar chances de conquistar o título mundial pela terceira vez. A última vez que Alonso foi campeão do mundo foi há dez anos, quando faturou o bicampeonato com a Renault em 2006. De lá para cá, Fernando até lutou pela taça e ficou perto em 2010 e 2012. Mas desde então, os resultados pouco lhe favorecem. Sua última vitória, por exemplo, foi no GP da Espanha de 2013.
 
Alonso, competitivo e talentoso como poucos na F1 atual, admite que sente falta de lutar pelo título e de tudo o que envolve a vida de um postulante à taça. Nostálgico, o espanhol lembrou também dos tempos em que brigou pelo campeonato com Michael Schumacher, que nesta quinta-feira completa três anos do terrível acidente na estação de esqui de Méribel, na França. Desde então, o heptacampeão mundial luta pela vida.
 
Alonso fala com carinho e saudade dos tempos em que esteve no topo da F1 e lutou pelo título mundial. “Tive sorte o bastante para experimentar esta sensação cinco vezes. Você treina, trabalha no simulador, vai para a fábrica, faz eventos, imprensa, faz tudo o que precisa para ser competitivo aos domingos e lutar pelo título. Nos últimos quatro anos, sinto falta dessa sensação de chegar com chances de título”, declarou o piloto da McLaren em entrevista à revista ‘Autosport’.
Fernando Alonso sente saudades da época em que lutava pelo título mundial de F1 (Foto: Reprodução/Twitter)
“Por outro lado, me sinto muito sortudo por ter conseguido sentir esta pressão e essas emoções cinco vezes, vencido duas, porque há muitos colegas que têm um talento enorme e nunca tiveram a chance de correr na F1. Alguns deles aparecem na F1, mas nunca tiveram a chance de subir ao pódio, a entrevista coletiva com os três primeiros, a experiência de sair na pole-position ou vencer um GP, e são muito, muito talentosos. Assim, claro, me sinto muito sortudo e sinto falta”, salientou.
 
Ao falar sobre Schumacher, Alonso não perdeu a oportunidade de reverenciá-lo e apontá-lo como o maior rival que já teve na F1. Fernando fez menção à batalha entre os dois durante a temporada 2006, que culminou com a conquista do bicampeonato.
 
“Quando os Bridgestone rendiam bem, ele sempre fazia o que era preciso e vencia a corrida. Mas quando a Michelin tinha uma vantagem e nós estávamos muito confiantes, ele estava lá. Assim, no fim de semana você pensava sempre em somar mais pontos do que ele, e ele estava lá sendo terceiro, quarto, segundo, sempre dando uma energia extra. Com todos os pilotos com quem lutei, ele foi o único que conseguiu fazer isso”, exaltou o asturiano.
 
Mas Alonso sabe que, no momento, a McLaren não lhe oferece grandes chances de lutar pelo topo. A situação, obviamente, o deixa muito frustrado. “A McLaren é a segunda melhor equipe da história da F1 e, quando se está lutando pelo Q1, é porque existe algo que não é normal. Todo mundo sente esta pressão, essas expectativas que ainda não somos capazes de cumprir. E isso frustra a todos nós. Em segundo lugar está a frustração pessoal de não conseguir lutar por pódios, vitórias e, por algumas vezes, mesmo não rendendo o que é capaz de fazer porque depois de dez voltas há alguns problemas pelos quais você tem de reduzir um pouco o motor, as baterias ou algo do tipo”, explicou Fernando, sem deixar de alfinetar a Honda por conta da falta de potência do seu motor.
 
“Logo talvez uma Sauber te alcança, te ultrapassa, e todo mundo exalta essa ultrapassagem, mas talvez temos 100 cv a menos de potência. Não é que eu esqueci de pilotar, é que simplesmente tais situações estão fora do nosso controle”, concluiu o bicampeão mundial.
 

Últimas Notícias
domingo, 26 de fevereiro de 2017
Nascar
F1
F1
F1
Nascar
MotoGP
F1
F1
F1
F1
Rali
F1
Superbike
MotoGP
sábado, 25 de fevereiro de 2017
F1
Galerias de Imagens
Facebook