F1
03/07/2016 13:44

Hamilton vence na Áustria na última volta após fechada mal sucedida de Rosberg, que fica fora do pódio. Wehrlein pontua

Em um final insano, Lewis Hamilton venceu um duelo empolgante contra Nico Rosberg e triunfou no GP da Áustria de F1. O alemão levou a pior na disputa e ficou com a asa dianteira quebrada, chegando apenas em quarto lugar. Max Verstappen e Kimi Räikkönen completaram o pódio
Warm Up
FERNANDO SILVA, de Sumaré


O GP da Áustria foi insano em seu final. Porque a prova parecia destinada a Nico Rosberg, visto que Lewis Hamilton, o pole, teve problemas em suas duas paradas e vinha com pneus macios, teoricamente mais lentos para a briga. Mas o inglês, possivelmente enfurecido pela decisão da Mercedes de ver seu companheiro com supermacios, partiu para cima. Na última volta, Hamilton tentou ultrapassagem na curva 2, o cotovelo, e Rosberg jogou o carro deliberadamente. Pois se deu mal, quebrando a asa. O inglês venceu. Nico ficou em quarto na corrida deste domingo (3).

Max Verstappen foi um dos que se deu bem e aproveitou o problema de Rosberg para garantir o segundo lugar na corrida. Kimi Räikkönen, que foi apagado durante a prova, ainda saiu no lucro ao levar a Ferrari ao pódio, em terceiro. Após Rosberg, Daniel Ricciardo fechou em quinto, enquanto Jenson Button assegurou um grande resultado para a McLaren e cruzou a linha de chegada em sexto. Grande resultado também de Romain Grosjean, sétimo colocado, fechando à frente de Carlos Sainz, da Toro Rosso.

Valtteri Bottas foi o nono, enquanto Pascal Wehrlein levou a Manor pela primeira vez aos pontos desde a antecessora, a Marussia, que havia pontuado com Jules Bianchi. O talentoso alemão, em seu ano de estreia na F1, fechou o GP da Áustria em décimo. Pascal aproveitou os abandonos de pilotos como Sergio Pérez para subir para a zona de pontuação. Felipe Massa também abandonou, enquanto Felipe Nasr fez uma corrida bastante aguerrida, a sua melhor da temporada, para fechar em 13º depois de chegar a andar em sétimo.
Hamilton levou a melhor após triunfar no duelo contra Rosberg e vencer na Áustria (Foto: Beto Issa)
O que aconteceu entre os pilotos da Mercedes na última volta ainda não está claro. Mas é evidente que não deixou um clima agradável. Toto Wolff, chefe de equipe, foi duro nas críticas: "Não usaram a cabeça. Ver os dois carros quase batendo é irritante, poderia facilmente ser um abandono duplo". Já Niki Lauda, consultor dos prateados, notou algo estranho no carro de Rosberg: "Eu acho que Nico teve problema de freio. Por que bateram, eu não sei".

Saiba como foi o GP da Áustria de F1

Antes mesmo da largada, o GP da Áustria começou com más notícias para Felipe Massa, que teve de largar do pit-lane em razão de um problema na nova asa dianteira do FW38. Hamilton, o pole, largou com tranquilidade e não tve problemas para manter a ponta. Quem brilhou foi Jenson Button, que ganhou a posição de Nico Hülkenberg e assumiu o segundo lugar. O alemão da Force India caiu para quarto, já que foi superado também por Kimi Räikkönen. 

Pascal Wehrlein, que obteve a melhor posição de largada da Manor na F1, partiu em 12º, mas o alemão errou sua posição de alinhamento no colchete e gerou dúvida sobre uma possível punição. Outro que tinha problemas era Daniil Kvyat, que escapava da pista para ser o primeiro piloto a abandonar a corrida.
Hamilton manteve a ponta na largada, seguido pelo surpreendente Button (Foto: Getty Images)

Rosberg tinha de tentar escalar o pelotão para ao menos não ver sua diferença para Hamilton diminuir tanto. E aí o alemão assumia o quarto lugar após superar Hülkenberg, que também era ultrapassado por Verstappen. Na ponta, Hamilton dominava, enquanto Button continuava com sua McLaren à frente de Räikkönen. Mas na sétima volta, o 'Homem de Gelo' finalmente fez a ultrapassagem, levando a melhor no duelo dos dois pilotos mais veteranos da F1 atual.

Hülkenberg continuava perdendo posições e caía para oitavo depois de ser ultrapassado por Vettel, o sexto, e Ricciardo. Lá na frente, Rosberg seguia abrindo caminho ao deixar Button para trás e assumir a terceira posição, deixando o britânico na alça de mira de um agressivo Verstappen. O holandês, que fazia bela corrida, conseguiu fazer a ultrapassagem na volta 9.

Sem ritmo com os compostos ultramacios, Hülkenberg foi aos boxes para colocar os supermacios. Fernando Alonso, Valtteri Bottas, Carlos Sainz e Button voltaram à pista com os macios. De fato, os pneus ultramacios gastavam demais, e alguns pilotos buscavam estratégias diferentes. Como Rosberg, que de terceiro lugar foi para os pits para também colocar os compostos macios.
Felipe Massa sofria com o rendimento dos supermacios no começo do GP da Áustria (Foto: Williams)
Massa era outro que entrava nos boxes para colocar pneus macios depois de ter largado com os supermacios. Mas tudo poderia mudar se a chuva desse as caras na Áustria. Wehrlein reportava uma chuva leve na volta 14. 

Quem se destacava bem no começo da corrida era Nasr. O brasileiro largou com os pneus macios, que tinham o melhor rendimento na pista no princípio da prova, e seguia abrindo caminho, ocupando o oitavo lugar após superar a Haas de Esteban Gutiérrez.

Rosberg seguia tirando vantagem para os ponteiros e aproveitava o melhor rendimento dos pneus macios. Em contrapartida, Hamilton sofria com os ultramacios e tentava retardar sua parada na esperança de ver a chuva chegar de vez. Mas não foi o que aconteceu. Lewis entrou nos boxes na volta 22, a Mercedes se enrolou no pneu traseiro esquerdo, e aí Rosberg ultrapassou o rival para assumir o segundo lugar, já que a liderança era de Vettel, que ainda não havia parado. A Ferrari, assim como a Red Bull, largou com os pneus supermacios, diferente dos ultramacios da Mercedes.

Hülkenberg, que pintava antes da corrida como um bom nome para o domingo, ocupava só o 12º lugar, uma posição à frente de Sergio Pérez. O alemão, um dos primeiros a ir aos boxes, entrou no pit-lane para fazer sua segunda parada na volta 26, colocando novamente pneus macios, caindo para 19º.



De fato, a estratégia de pit-stops e a escolha correta dos pneus estavam decidindo os rumos do GP da Áustria. E foi justamente o pneu que tirou Vettel da corrida. O então líder da prova seguia na pista, com a Ferrari esticando ao máximo seu stint. Mas ao passar na reta dos boxes, o traseiro direito estourou em plena reta dos boxes, fazendo o alemão rodar e bater no guard-rail, por pouco não sendo acertado por pilotos que vinham atrás. Safety-car na pista na volta 27. A Pirelli reportou que o estouro no pneu foi causado por detritos na pista.

Por conta dos detritos de borracha na pista na reta dos boxes, o comboio liderado pelo safety-car passou no pit-lane. Rosberg era o líder da corrida, seguido por Hamilton, Verstappen, Ricciardo, Räikkönen, Bottas, um surpreendente Nasr em sétimo, Button, Grosjean e Magnussen, enquanto Massa aparecia em 11º lugar.

A relargada foi dada na volta 32. Rosberg largou bem demais e abriu vantagem para Hamilton. Nico tinha de ser mais rápido e o fazia com competência, emendando uma série de voltas mais rápidas. Nasr, em sua melhor corrida na temporada, ainda não havia parado para fazer sua troca de pneus, mas mesmo assim mantinha um ritmo consistente de prova. Em contrapartida, Hülkenberg tinha uma jornada desastrosa. O alemão foi punido em 5s por ter excedido o limite de velocidade no pit-lane, com Grosjean sofrendo a mesma sanção.

A luta pela vitória parecia mesmo fadada aos dois carros da Mercedes. Verstappen e Ricciardo não ameaçavam, enquanto Räikkönen estava bastante apagado. Assim, um dos grandes nomes da corrida era mesmo Nasr, que lutava na raça contra Button. Mesmo tendo perdido a sétima colocação para o veterano, o brasileiro se destacava na Áustria. Por sua vez, Massa lutava para se segurar em décimo lugar contra um Pérez que tinha melhor ritmo de corrida.
Rosberg erra na curva 2 na metade final do GP da Áustria (Foto: F1/Twitter)
Rosberg, mesmo com pneus mais desgastados em relação a Hamilton, conseguia não só controlar a vantagem, mas a aumentava para ser o primeiro piloto a andar abaixo de 1min09s: 1min08s955. Mas logo depois, Nico cometeu um erro e 'embarrigou' a curva 2, permitindo a aproximação de Hamilton. E Nasr, sem o melhor ritmo com pneus que já tinham 44 voltas de vida útil, entrou nos boxes para colocar os compostos supermacios e tentar ir até o fim. De qualquer forma, o brasiliense tinha feito um grande papel na Áustria.

Mas o desenrolar da corrida indicava que Rosberg tinha a corrida sob controle. Só mesmo um problema poderia tirar de Nico sua sexta vitória na temporada. Hamilton continuava próximo, mas não o bastante para esboçar uma reação e retomar a ponta da corrida. Só que havia corrida pela frente.

Na volta 53, Hamilton fez sua parada para colocar pneus macios e ir até o fim. Na volta seguinte, foi a vez de Rosberg realizar seu pit-stop, mas neste caso a Mercedes colocou pneus supermacios restando 15 voltas para o desfecho da corrida. Lewis questionou a Mercedes sobre ter colocado pneus de tipos diferentes para os dois carros. Nico voltava à frente do rival e só tinha de fazer o dever de casa para vencer pela terceira vez seguida na Áustria. Mas o líder da corrida era Verstappen, que havia retardado sua parada.

Restando dez voltas para o fim da corrida, finalmente Rosberg tomou a liderança de fato, não sem antes Verstappen jogar duro antes de ser ultrapassado. Mas Hamilton não conseguia passar o holandês, ficando cada vez mais longe da vitória. O tricampeão só conseguiu subir para segundo na volta 64, sendo aplaudido pela Mercedes.

Na volta 65, Massa abandonava a corrida, fechando um domingo pra lá de frustrante. O brasileiro marcou uma série de abandonos, já que Fernando Alonso e também Nico Hükenberg, após um pífio rendimento, também deixavam a prova.

No fim da corrida, Hamilton conseguiu aproveitar o melhor rendimento dos pneus macios e se aproximou de vez de Rosberg. Na volta final, os dois pilotos da Mercedes se tocaram, e Nico levou a pior ao ter a asa do seu carro danificada. Hamilton, vencedor de um duelo empolgante, assumiu a liderança e venceu a corrida. Verstappen herdou o segundo lugar, enquanto Räikkönen cruzou a linha de chegada em terceiro, com Rosberg passando apenas em quarto lugar.

F1 2016, GP da Áustria, Spielberg, final:

1 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES 1:27:38.107 71 voltas
2 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER +5.719  
3 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +6.024  
4 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +26.710  
5 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER +30.981  
6 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA +37.706  
7 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI +44.668  
8 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI +47.400  
9 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +1 volta  
10 94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES +1 volta  
11 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI +1 volta  
12 30 JOLYON PALMER ING RENAULT +1 volta  
13 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +1 volta  
14 20 KEVIN MAGNUSSEN DIN RENAULT +1 volta  
15 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +1 volta  
16 88 RIO HARYANTO INA MANOR MERCEDES +1 volta  
  11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +1 volta NC
  27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +5 voltas NC
  14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA +5 voltas NC
  19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +6 voltas NC
  5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI +45 voltas NC
  26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI +68 voltas NC
               
MELHOR VOLTA NICO ROSBERG ALE MERCEDES 1:08.955 Volta 48
PADDOCK GP #35 DEBATE MOTOGP, STOCK CAR E FAZ PRÉVIA DA F1 E FINAL DA F-E


Últimas Notícias
segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017
Motociclismo
Outras
MotoGP
Superbike
Stock Car
Outras
MotoGP
F1
MotoGP
F1
MotoGP
F1
MotoGP
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook