F1
12/03/2017 07:00

Mais mulher e filho, menos farra regada a muito álcool: Räikkönen muda de vida para tentar o bi 10 anos depois

O 'vencedor' da pré-temporada 2017 é um homem mais maduro. Kimi Räikkönen tem agora um Robin para criar. E a mudança na vida pessoal também afeta o que sempre gostou: a bebida. É o combo 'mais família menos álcool' que chega em 2017 em busca do segundo título da F1
Warm Up, de Barcelona
THIAGO ARANTES, de Barcelona
 

Kimi Räikkönen mudou. Não é o que parece durante os poucos instantes de contato com a imprensa – durante os oito de testes em Barcelona, foram apenas duas entrevistas, de 10 minutos cada, sempre falando pouco, baixo e sem muita paciência –, mas quem acompanha mais de perto o finlandês da Ferrari não tem dúvidas: ele é outra pessoa. 
 
Dono do tempo mais rápido da pré-temporada da F1 e apontado pelos mais apressados como um dos candidatos ao título do campeonato que começa na Austrália, no dia 25 deste mês, o campeão mundial de 2007 passou por uma metamorfose nas últimas temporadas. 
 
A mudança, profunda, tem uma motivação mais do que lógica: Räikkönen, agora, dedica o tempo em que não está correndo à família. Desde janeiro de 2015, ele é pai de Robin, e sua esposa, Minttu Virtanen está grávida de um segundo filho. Todos estiveram em Barcelona durante a pré-temporada, acompanhando o piloto. 
 
O nascimento de Robin foi, para pessoas próximas ao “Iceman”, o ponto de mudança. Antes do filho, ele e Minttu eram vistos com frequência em festas, quase sempre acompanhados de generosas quantidades de álcool. Depois do filho, Räikkönen diminuiu o ritmo, e as aparições públicas praticamente acabaram. Em agosto de 2016, ele e Minttu se casaram em Siena, na Itália. 
Kimi Räikkönen anda com o filho Robin durante o paddock em Barcelona (Foto: AFP)
“Räikkönen mudou muito nesses últimos anos. Agora ele é um pai de família, está mais concentrado em estar com seu filho... E praticamente deixou de ir a festas e de beber”, explica o jornalista finlandês Niki Juusela, narrador da F1 no país. 
 
A imagem é bem diferente da que o piloto tinha há uma década, quando conquistou seu único título. Então, Räikkönen era visto como o “playboy” da F1. Uma reedição – guardadas todas as proporções – de seu grande ídolo, o inglês James Hunt, possivelmente o maior bon vivant que já passou pela categoria. 
 
Naquela época, era comum que os tabloides ingleses publicassem fotos do piloto em casas noturnas, quase sempre em situações de embriaguez. O próprio Räikkönen contribuía para a fama, como na clássica imagem em que, alterado, cai de um iate e fica de ponta-cabeça. 
Kimi Räikkönen virou outra pessoa (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Outros tempos. Daquela época, o que Räikkönen pretende resgatar na temporada de 2017 é o prazer em pilotar um carro que se adapte bem às suas características: os modelos deste ano serão mais rápidos, com mais adereência e menos desgaste de pneus; mais corrida e menos estratégia, como muitos definiram em Barcelona. 
 
Além disso, o carro da Ferrari animou o finlandês. “Acho que tudo foi bem positivo, o carro está correndo bem, os dois pilotos gostaram... A equipe fez um bom trabalho, preparou um carro confiável. Comparando com um ano atrás, foi muito melhor em muitas coisas”, disse. 
 
Dez anos depois, Räikkönen volta a estar na lista de candidatos ao título. E buscará um desfecho igual ao de 10 anos atrás; mesmo por um caminho tão diferente. 
 
PADDOCK GP #68 ANALISA SEGUNDA SEMANA DE TESTES DA F1 EM BARCELONA


Últimas Notícias
domingo, 12 de março de 2017
Superbike
Indy
Rali
Nascar
F1
F1
F1
sábado, 11 de março de 2017
Indy
Indy
Indy
Indy
Indy
MotoGP
Indy
MotoGP
Galerias de Imagens
Facebook