F1
05/01/2015 19:25

McLaren e Honda se dizem irritadas e questionam FIA sobre decisão quanto ao desenvolvimento dos motores

A McLaren e a Honda se disseram irritadas e descontentes com a decisão da FIA em liberar o desenvolvimento dos motores ao longo da temporada 2015. Por ser uma nova fornecedora, a empresa japonesa ficou de fora da regra
Warm Up
Redação GP, de Curitiba
A McLaren e a sua nova parceira no fornecimento de motores, a Honda, questionaram a decisão recente da FIA quanto ao desenvolvimento das unidades de força. A entidade-mor admitiu que havia uma brecha nas regras existentes com relação ao congelamento dos motores e que esse item agora poderá ser explorado.

Entretanto, dentro da diretiva técnica enviada às equipes antes do Natal, a federação deixou clara a exclusão da Honda, alegando que a empresa japonesa é uma nova fornecedora e não se enquadra na nova regulamentação.
Stoffel Vandoorne testou com a McLaren Honda em Abu Dhabi (Foto: Getty Images)
"Como os fabricantes existentes foram obrigados a homologar suas unidades de força até 28 de fevereiro de 2014, parece justo e equitativo pedir para o novo fornecedor a homologação de seus motores antes de 28 de fevereiro de 2015", disse o texto da FIA, assinado por Charlie Whiting, delegado-técnico da entidade. "Estamos considerando, portanto, que esse é requisito para um novo fabricante", completou.

Um porta-voz da McLaren confirmou que a equipe e a fornecedora entraram em contato com a FIA sobre a decisão e admitiu que tanto o time quanto a fabricante estão "irritados e descontentes" com o caminho tomando pela federação, mas se recusou a comentar mais, apenas acrescentando que as negociações estão em curso.

A Ferrari e a Renault, as duas principais interessadas na mudança da regra, saudaram a permissão para o aperfeiçoamento de suas unidades. Enquanto isso, a Mercedes, que dominou a temporada 2014 e que também terá condições de melhorar seus motores, disse que a decisão vai elevar os custos de maneira desnecessária.
FORTES DEMAIS

Apesar da má fase, a Ferrari pode, sim, reagir e passar a representar uma ameaça em breve. É o pensamento de Toto Wolff, diretor-executivo da Mercedes, que alertou para a força da parceria formada com o recém-contratado Sebastian Vettel. A Ferrari, por toda a estrutura e tradição que tem, com Vettel, um tetracampeão, vão dar juntos início a um novo ciclo, e é de se esperar, na visão de Wolff, que o time consiga um resultado melhor do que o da temporada 2014.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
HÜLK: CARROS FICARAM MAIS DIFÍCEIS EM 2014

A temporada de Nico Hülkenberg foi até acima do esperado. O piloto da Force India pontuou nas dez primeiras provas do ano e foi o principal chamariz da equipe em sua melhor temporada desde que foi criada. Mas as coisas não foram tão tranquilas com o novo V6 turbo. Segundo Hülkenberg, guiar o carro que a F1 passou a usar em 2014 é mais difícil que os impulsionados pelos V8 aspirados que eram utilizados até 2013. Para o alemão tem sido mais complicado guiar em 2014 especialmente por causa da diminuição de downforce.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
MELHORES DO ANO
 
E assim, como num passe de mágica, 2014 passou. Foi rápido mesmo. Se Vettel decepcionou, a Mercedes dominou e o medo de acidentes fatais voltou à F1; se a Ganassi não correspondeu e Will Power fez chegar o dia que parecia inalcançável; se Márquez deu mais um passou para construir uma dinastia; se Rubens Barrichello viveu sua redenção, tudo isso é sinal das marcas de 2014 no automobilismo. Para encerrar e reforçar o que aconteceu no ano, a REVISTA WARM UP volta a eleger os melhores do ano.

Últimas Notícias
sábado, 29 de abril de 2017
Indy
Rali
F3
Indy
Nascar
Nascar
MotoGP
Outras
Motociclismo
F1
F1
MotoGP
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook