F1
24/09/2015 09:00

Na Garagem: Por alguns metros, Minardi sente gosto de liderar uma volta

A louca manobra de Nigel Mansell não mexeu apenas no campeonato, mas na história da F1. Com a parada de Mansell nos boxes, na volta 40, quem assumiu a ponta foi o italiano Pierluigi Martini. O giro 40 do GP de Portugal de 1989 foi a única volta da F1 liderada por uma Minardi
Warm Up
CHARLES NISZ, de Campinas
O GP de Portugal de 1989, que aconteceu em 24 de setembro, era a 13a das 16 etapas daquela temporada. Com a vitória de Alain Prost e o abandono de Ayrton Senna no GP da Itália, o francês tinha tinha 71 pontos contra 51 tentos do brasileiro. Pelo regulamento daquele ano, a classificação contava apenas os 11 melhores resultados de cada piloto para a tabela de pontos do Mundial.
 
Senna não pontuou em seis das 12 etapas, obtendo cinco vitórias e um segundo posto. Ele não descartaria mais resultados. Prost iria descartar ao menos dois dos seus resultados na zona de pontuação – um quarto e um quinto lugares. Ou seja, o Professor estava muito próximo do seu terceiro título. Para ser campeão, Senna precisaria vencer três das últimas quatro provas.
 
Nos treinos, Senna confirmou sua fama de bom de classificação e marcou a 39a das suas 65 poles, com o tempo de 1min15s468. A Ferrari estava em boa fase no fim da temporada de 1989 e ficou em segundo com Gerhard Berger e em terceiro com Nigel Mansell. O austríaco ficou a 0s5 de Senna, marcando 1min16s059. Quase 0s2 atrás do parceiro, o inglês marcou 1min16s193.
Largada do GP de Portugal de 1989 (Foto: Reprodução/Memória F1)
Já o líder do campeonato, Prost, marcou 1min16s204, quase 1s atrás de Senna. Mas a grande surpresa do treino foi a Minardi. Em sua quinta temporada na F1, a escuderia de Faenza colocou seus carros em quinto, com Pierluigi Martini, e em nono com, Luís Perez-Sala. O brasileiro Roberto Moreno conseguiu um pequeno milagre e colocou o carro da Coloni-Ford em 15o no grid – num fim de semana onde treinaram 38 carros.
 
Berger largou bem e passou Senna logo na primeira curva. Mansell, na outra Ferrari, passou o brasileiro na volta 8. As posições permaneceram inalteradas entre os quatro primeiros até a volta 23, quando Mansell passou Berger e assumiu a ponta. Stefan Johansson vinha em oitavo com a Onyx, em outro milagre do GP de Portugal. Parceiro do sueco, o finlandês J.J. Lehto, sequer passou da pré-qualificação.
Stefan Johansson foi ao pódio com a Onyx em Estoril (Foto: Getty Images)
Tudo mudou na volta 39: Mansell foi aos boxes para trocar os pneus e passou do ponto ao estacionar. Deu marcha ré e estacionou no box da Ferrari. Como isso não era permitido pelas regras, o inglês foi desclassificado. Mesmo assim, Mansell voltou à pista e ignorou as bandeiras pretas que eram mostradas ao carro #27.
 
Ao tentar recuperar terreno, Mansell foi ultrapassando os rivais no pelotão e chegou em Senna, então na segunda posição. Senna não quis dar passagem a Mansell e lutou pela posição como se o inglês não estivesse desqualificado da prova. O brasileiro fechou a porta e o inglês bateu na traseira direita de Senna, tirando ambos da corrida. Prost viu seu tricampeonato ficar cada vez mais próximo. Muitos se perguntavam se Mansell havia batido em Senna de propósito. O francês acabou campeão duas corridas depois, no Japão, ao jogar o carro em cima de Senna.
Berger acelera no GP de Portugal de 1989 (Foto: Reprodução/Twitter)
A louca manobra de Mansell não mexeu apenas no campeonato, mas na história da F1. Com a parada de Mansell nos boxes, na volta 40, quem assumiu a ponta foi o italiano Martini. O giro 40 do GP de Portugal de 1989 foi a única volta da F1 liderada por uma Minardi. Com 21 temporadas na F1, o time de Giancarlo Minardi correu mais de 26 mil voltas – mais que times como Jordan, Ligier, Red Bull ou Mercedes.
 
Findas as 71 voltas da prova, Berger viu a bandeira quadriculada, com folgados 32s de vantagem para Prost. Johansson, em corrida brilhante, chegou em terceiro, levando a Onyx ao pódio. Foi a primeira e única pontuação da curta história da escuderia – o time britânico correu apenas 26 GPs entre 1989 e 1990.
Pierluigi Martini chegou a liderar o GP de Portugal de 1989 (Foto: Reprodução/Twitter)
Quem também fazia a festa era a Minardi. O quinto lugar de Martini igualava o melhor resultado da história do time de Faenza, também obtido pelo italiano na Alemanha em 1989. Ao fim do ano, a Minardi obteve seis pontos, segunda melhor temporada da equipe, só superada em 1993, com a dupla Gianni Morbidelli e Christian Fittipaldi.
Últimas Notícias
sábado, 25 de março de 2017
F1
F1
F1
sexta-feira, 24 de março de 2017
F1
F1
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
F-Inter
F1
MotoGP
MotoGP
MotoGP
Galerias de Imagens
Facebook