F1
05/01/2015 09:51

Para fugir de associação com Mercedes, McLaren vai abandonar pintura prateada em 2015, afirma jornal espanhol

De acordo com o jornal espanhol ‘Mundo Deportivo’, a McLaren não vai mais correr de prata. Já a Mercedes, segundo o ‘Omnicorse’, planeja correr com um bólido cromado em 2015
Warm Up
Redação GP, de São Paulo
Entra ano, sai ano, sempre há a expectativa de que a McLaren possa competir com uma cor diferente na F1. De acordo com o jornal espanhol ‘Mundo Deportivo’, dessa vez, realmente está decidido que, de prata, o time não corre.

A McLaren estreou uma pintura prateada em 1997, para fazer alusão às Flechas Prateadas da Mercedes. Desde então, essa tem sido a cor principal dos bólidos construídos em Woking, que foram campeões em 1998, 1999 e 2008.
Juan Pablo Montoya pilota McLaren laranja em testes de 2006. Carro não foi usado na temporada (Foto: Getty Images)
A reportagem do diário espanhol diz que a Honda solicitou a mudança, justamente para evitar a associação com a montadora alemã. O novo layout pode ser branco, referência à primeira McLaren de F1 e à própria parceria entre McLaren e Honda nos anos 80 e 90, ou então laranja. Mas, no final, tudo vai depender da assinatura ou não de um acordo com um patrocinador-máster.

E a Mercedes também pode mudar, segundo o site italiano ‘Omnicorse’. O time alemão planeja repetir o que fez com a McLaren no fim da década passada e adotar uma pintura cromada.
FORTES DEMAIS

Apesar da má fase, a Ferrari pode, sim, reagir e passar a representar uma ameaça em breve. É o pensamento de Toto Wolff, diretor-executivo da Mercedes, que alertou para a força da parceria formada com o recém-contratado Sebastian Vettel. A Ferrari, por toda a estrutura e tradição que tem, com Vettel, um tetracampeão, vão dar juntos início a um novo ciclo, e é de se esperar, na visão de Wolff, que o time consiga um resultado melhor do que o da temporada 2014.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
HÜLK: CARROS FICARAM MAIS DIFÍCEIS EM 2014

A temporada de Nico Hülkenberg foi até acima do esperado. O piloto da Force India pontuou nas dez primeiras provas do ano e foi o principal chamariz da equipe em sua melhor temporada desde que foi criada. Mas as coisas não foram tão tranquilas com o novo V6 turbo. Segundo Hülkenberg, guiar o carro que a F1 passou a usar em 2014 é mais difícil que os impulsionados pelos V8 aspirados que eram utilizados até 2013. Para o alemão tem sido mais complicado guiar em 2014 especialmente por causa da diminuição de downforce.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
MELHORES DO ANO
 
E assim, como num passe de mágica, 2014 passou. Foi rápido mesmo. Se Vettel decepcionou, a Mercedes dominou e o medo de acidentes fatais voltou à F1; se a Ganassi não correspondeu e Will Power fez chegar o dia que parecia inalcançável; se Márquez deu mais um passou para construir uma dinastia; se Rubens Barrichello viveu sua redenção, tudo isso é sinal das marcas de 2014 no automobilismo. Para encerrar e reforçar o que aconteceu no ano, a REVISTA WARM UP volta a eleger os melhores do ano.


Últimas Notícias
domingo, 22 de outubro de 2017
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
Stock Car
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook