F1
19/10/2017 13:25

Pelo sonho do tri, Alonso enfim renova com McLaren e reencontra ‘velha conhecida’ Renault na temporada 2018 da F1

A novela sobre o futuro de Fernando Alonso na McLaren finalmente se encerrou nesta quinta-feira (19). E com final feliz para as duas partes. A escuderia de Woking confirmou aquilo que já se esperava, mas as negociações ainda se arrastaram por conta de pequenos detalhes. Assim, o bicampeão reencontra a marca que o ajudou a alcançar o topo do esporte na década passada, em 2005 e 2006
Warm Up
FERNANDO SILVA, de Sumaré

Está feito. Fernando Alonso vai continuar na McLaren na temporada 2018 do Mundial de F1. A permanência do bicampeão do mundo em Woking por pelo menos mais um ano, confirmada nesta quinta-feira (19), ficou ameaçada por um bom tempo por conta da fragilidade do motor Honda. Mas o fim do casamento entre a fábrica japonesa e a McLaren, que era vista como condição sine qua non para Alonso ficar, acabou se consolidando, e na esteira da saída da Honda, a Renault chegou para ser a nova parceira da equipe pelos próximos três anos. Assim, o espanhol, aos 36 anos, reencontra a velha conhecida que o ajudou a alcançar o topo da F1 na década passada, quando conquistou o título mundial em 2005 e 2006. 

O anúncio foi feito de forma curiosa, com a McLaren fazendo brincadeiras em sua conta no Twitter, com diferentes postagens que indicavam que a confirmação estava por vir. No fim, na última das postagens, com direito a cutucada na Honda, Alonso aparece dizendo: "nos vemos no próximo ano".


"É fantástico continuar meu relacionamento com a McLaren", afirmou Alonso, confirmando a renovação. "Meu coração sempre me disse para ficar onde estava, eu me sinto em casa aqui. É uma equipe fantástica, cheia de pessoas incríveis e que tem um ambiente de amizade e companheirismo que eu nunca tinha visto na F1. Estou incrivelmente feliz por seguir aqui. A McLaren tem os recursos técnicos e financeiros para conseguir rapidamente voltar a vencer corridas e títulos. Tudo bem, os últimos anos não foram fáceis, mas ninguém esquece como se faz para ganhar, acredito que podemos voltar ao topo em breve", seguiu.

"Os últimos três anos serviram para que a gente planejasse e construísse o futuro, então estou bem ansioso para embarcar nessa jornada. Estou animado para o que temos pela frente e já tenho trabalhado duro para que o novo ciclo seja de sucesso", encerrou.

A cúpula da equipe também fica feliz com o anúncio. "Estou muito feliz por poder confirmar que o Fernando vai seguir conosco. Ele tem sido um cara fantástico para o time nos últimos três anos, é um talento incrível e tem sido um dos pilotos mais aplicados dos últimos tempos. Sempre nos fez sentido manter a relação", disse o chefe de equipe Zak Brown. "Com o Fernando, você realmente não tem como pedir algum piloto melhor. Ele é o cara ideal para te trazer o resultado na tarde de domingo. Ele sempre me deixou claro que ama esta equipe e que queria ficar. O anúncio de hoje prova que ele está totalmente focado e com a meta de ser um dos grandes da McLaren, deixando para trás suas frustrações dos últimos anos", completou o diretor técnico Éric Boullier.

Alonso jamais escondeu o sonho de lutar novamente por vitórias e por títulos. No entanto, desde que deixou a Ferrari de forma melancólica, em 2014, o espanhol falhou miseravelmente na sua tentativa de voltar a ser protagonista da F1. Não por sua culpa, em partes, uma vez que o projeto do motor Honda definitivamente não deu frutos desde quando começou seu novo caminho no esporte, em 2015. Só agora, depois de quase três anos e com o fim da parceria sacramentada, é que a unidade de potência começa a mostrar algum potencial. Sorte? Talvez da Toro Rosso, que vai receber os motores nipônicos a partir do ano que vem.
 
Se há alguma culpa de Alonso por toda a sua seca de vitórias e títulos, ela diz mais respeito às suas decisões, ainda que o piloto negue qualquer arrependimento: "Não tenho bola de cristal", disse recentemente em vídeo ao vivo com os fãs em sua conta no Instagram. Na contramão de Lewis Hamilton, que acertou em cheio ao deixar a McLaren em 2012 para assumir um projeto que mostrou-se pra lá de vitorioso e campeão na Mercedes, Fernando trilhou o caminho errado desde sua primeira passagem na McLaren, em 2007, quando deixou o time após desavenças com o próprio Hamilton e o então chefão do time, Ron Dennis.
Ele fica: Fernando Alonso renovou contrato com a McLaren para a temporada 2018 da F1 (Foto: McLaren)
Desde então, a carreira de Alonso degringolou, e o bicampeão perdeu as chances de ser ainda maior na F1. É bem verdade que, após dois anos com a Renault, em 2008 e 2009, o espanhol abriu passagem para uma união que parecia ser vencedora na Ferrari, seu velho desejo, para onde foi a partir de 2010.
 
Naquele mesmo ano, por exemplo, Alonso chegou muito perto do título, foi para a última corrida do ano como líder do campeonato, mas foi vítima da estratégia errada da Ferrari e também falhou retumbantemente ao não conseguir passar Vitaly Petrov no GP de Abu Dhabi, vendo o sonho do tri cair por terra com o título alcançado por Sebastian Vettel, o primeiro de quatro, naquela noite no Oriente Médio. Em 2012, Alonso e Vettel voltaram a brigar pelo título, mas o alemão, com um carro muito melhor, conseguiu empreender grande virada no segundo semestre e faturou a taça.
 
A última grande glória de Alonso na F1 já tem mais de quatro anos. Foi em 12 de maio de 2013, quando o asturiano venceu pela última vez no Mundial. Depois disso, foram poucas alegrias para o piloto, que viu Vettel chegar ao tetracampeonato e, no ano seguinte, acompanhou de longe a ascensão da Mercedes como a melhor equipe do grid e a consolidação do seu outrora grande rival como um dos melhores de todos os tempos em razão dos seus números pra lá de relevantes. Alonso, por conta das decisões que se mostraram erradas, estacionou.
Fernando Alonso viveu um calvário durante os três últimos anos na McLaren-Honda (Foto: Sky Sports/Twitter)
Inspirado por Ayrton Senna e sua história épica pela McLaren-Honda, Alonso voltou à equipe britânica sendo o grande símbolo da marca japonesa, que voltava à F1 disposta a retomar o caminho das vitórias. Mas foram tantas as dificuldades que a Honda, dona de um passado tão incrível no esporte, virou motivo de chacota pelas inúmeras quebras e falta de performance. Alonso, que recebeu da Honda grande parte do seu polpudo salário, perdeu a cabeça e as estribeiras várias vezes, chegando a disparar contra o ‘motor de GP2’ da Honda na casa dela, em Suzuka, em 2015.
 
Desde sua volta à McLaren, Alonso teve como melhor resultado três quintos lugares, nos GPs da Hungria de 2015 e da Espanha e Estados Unidos, no ano passado. Mas foi uma jornada marcada por muito dinheiro, muitas reclamações e raras alegrias. Talvez, seu maior motivo de sorriso nos últimos tempos foi justamente a inacreditável participação nas 500 Milhas de Indianápolis, onde novamente pode se sentir competitivo e lutar pela vitória, o que há tempos não acontece na F1. 
 

Quando voltou ao grid depois de sua participação esporádica na Indy, Alonso só teve alguma razão para comemorar depois que viu seus desejos serem atendidos com a saída da Honda e a chegada da Renault. Fernando tanto fez que acabou tendo a chance de voltar a defender, ainda que não como equipe, a marca que o levou à primeira pole, à primeira vitória, às suas primeiras e maiores glórias no esporte até então.
 
Agora, com a permanência na McLaren assegurada e a reedição da parceria com a Renault, Alonso começa a trabalhar com um motivo que há tempos estava adormecido: voltar a ser protagonista e a brigar por títulos e vitórias no Mundial de F1. Se ainda há tempo? Só mesmo o futuro vai dizer.
RITMO DE FESTA

PADDOCK GP CHEGA À EDIÇÃO 100 COM HISTÓRIAS IMPERDÍVEIS DE EDGARD MELLO FILHO
 


Últimas Notícias
quarta-feira, 22 de novembro de 2017
Stock Car
MotoGP
Indy
F1
F1
MotoGP
F1
Copa Grande Prêmio
F1
Endurance
Outras
Outras
Stock Car
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook