F1
20/12/2016 11:37

Refeita do susto, Mercedes risca quase grid inteiro da F1 até chegar à 'final' entre Bottas e Wehrlein

Quase três semanas depois da assombrosa decisão de Nico Rosberg, os pilotos se mobilizaram para chegar à vaga disponível da Mercedes. A lista começou repleta de opções, mas agora a espécie de campeonato tem apenas dois times buscando o título: é o favorito Valtteri Bottas contra o azarão Pascal Wehrlein
Warm Up
VICTOR MARTINS, de São Paulo

Assim que Nico Rosberg usou as redes sociais e a festa chique da FIA para anunciar ao mundo que largava a vida de piloto, a caixa de e-mail da Mercedes e os telefones de Toto Wolff e Niki Lauda se encheram das mais diversas mensagens. Era o grid inteiro da F1 – tirando Kimi Räikkönen e Daniil Kvyat – e outros relegados – como Pastor Maldonado – que corriam atrás da vaga como os abutres atacando as carnes que ainda não estavam decompostas. 
 
Enquanto o mídia social da equipe fazia graça com Max Verstappen, naquela típica brincadeira que tem um fundo de realidade, a cúpula se descabelava xingando a última geração dos Rosberg e colocando no papel todos os nomes que lhe atraíam. Quase três semanas depois, só restaram duas opções: a arriscada e a conservadora.
 
Se um alemão saía, outro teria de entrar, pensaram Wolff e Lauda. Uma consulta foi feita à Renault para ver se, na base da camaradagem, havia como negociar o ‘nati-azarado’ Nico Hülkenberg. O pessoal lá riu à francesa. Pensaram grande, também. Fernando Alonso. Alonso, sim, era capaz de pegar o contrato e atirar no rio mais próximo. Em fim de carreira, o máximo que teria a perder eram alguns bons milhões de multa rescisória, e lá estaria ele pronto a formar novamente dupla com Lewis Hamilton. Só que antes que a McLaren risse à inglesa, o próprio tratou de pôr um freio nos rumores – talvez sabedor de que nunca deixariam.
Valtteri Bottas e Pascal Wehrlein são as únicas opções da Mercedes (Foto: AFP)

Um meio termo seria Esteban Ocon. Recém-chegado à Force India pelas mãos da Mercedes, teria o rótulo de ‘funcionário do ano’ se tivesse uma nova promoção. Em um primeiro momento, seu nome foi considerado. Mas a casa indiana fechou as portas. Lá não era simplesmente apalpar e levar. 
 
Carlos Sainz se perguntou ‘por que não eu?’ Era o movimento perfeito, já que a Mercedes teria um ótimo piloto, louco para atazanar a vida de Hamilton e, sobretudo, de Verstappen, e liberaria uma vaga na Toro Rosso que cairia nas mãos de Pierre Gasly, campeão da GP2. Mas nem na Mercedes, nem na Red Bull, ninguém lhe acenou com um sorriso à Paula Toller.
TONY KANAAN COMO VOCÊ NUNCA VIU: ASSISTA AGORA
Havia as opções dos aposentados Felipe Massa e Jenson Button. O primeiro, sabia-se, saía da F1 porque não tinha um carro competitivo; o segundo, porque não tinha mais saco. Uma conversa aqui e ali poderia convencê-los. Não evoluiu – e, no fim das contas, se alguém tivesse procurado o brasileiro, capaz que tivéssemos a maior surpresa de todos os tempos da categoria.
 
No fim das contas, acabou que dois nomes ficaram sem o risco na lista. Pascal Wehrlein é alemão, é jovem, é bom piloto, fez uma temporada decente na Manor, mas é visto com um estranho ponto de interrogação que só faz o mundo ter um ponto de interrogação ainda maior sobre a Mercedes. Afinal, se se trata de um piloto de desenvolvimento, como explicar a sua não ascensão? Que diabos o coitado fez de tão ruim que Wolff e Lauda ainda não o anunciaram? Todo mundo, até mesmo Rosberg, tem falado bem do cara, que desenvolve bem o carro, que conhece os pneus, então...? 
 
E tem Valtteri Bottas. Que já não é mais aquele Bottas que chegaram a dizer que seria o novo piloto da Ferrari e futuro campeão do mundo. Não é tão tímido quanto Wehrlein, mas não tem uma personalidade das mais carismáticas e cativantes. É apadrinhado por Wolff, é o atual primeiro piloto da Williams e é a opção principal da Mercedes. E é por causa desta que Massa – que assinou com a Williams, segundo apurou o GRANDE PRÊMIO – deve voltar ao cenário da F1. 
 
A grande final da decisão da Mercedes é quase uma decisão de pontos corridos que depende do resultado de outro jogo. O sim de Massa é o sim de Bottas. O não de Massa é o sim de Wehrlein. Logo a bolinha pisca na tela.

Últimas Notícias
sábado, 25 de março de 2017
Nascar
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
F1
F1
MotoGP
Nascar
F1
Galerias de Imagens
Facebook