F1
10/05/2016 13:46

Renault reafirma projeto de longo prazo e descarta chance de lutar por vitórias com novas regras em 2017

Frederic Vasseur, chefe da Renault, diz que o objetivo para os próximos anos é trabalhar em colaboração com um grande piloto e ajuda-lo a conquistar o título “em 2020 ou 2021”, nos mesmos moldes do que já fez a própria Renault com Fernando Alonso no início da década passada. Mas para os próximos anos, contudo, a previsão é de muito trabalho, mas sem expectativa de grandes resultados
Warm Up
Redação GP, de Curitiba
A Renault tem os pés cravados no chão e prefere dar um passo por vez em sua retomada de trajetória na F1. Desde quando voltou ao Mundial como equipe de fábrica, a montadora francesa vem trabalhando para, em primeiro lugar, reestruturar sua base em Enstone, na Inglaterra, depois de adquirir a Lotus. Por isso, os resultados ainda não são prioridade para o time de Viry-Châtillon. Os primeiros pontos só vieram na quarta corrida da temporada 2016 graças ao sétimo lugar de Kevin Magnussen no GP da Rússia.
 
Frederic Vasseur, chefe de equipe da Renault, entende que não dá para falar em resultados por um bom tempo. Nem mesmo em 2017, quando há uma expectativa de mudança na dinâmica da F1 com novidades no regulamento técnico.
 
“Ano que vem não vai ser possível porque não é só uma questão de regras, mas também uma questão de estrutura. Você tem de criar uma equipe na F1, e para isso é preciso de um projeto de médio prazo”, salientou o engenheiro francês em entrevista ao site norte-americano ‘Motorsport.com’.
Frederic Vasseur é muito cauteloso quanto às pretensões da Renault e reforçou que lidera um projeto de longo prazo (Foto: Getty Images)
“Quando você tem de contratar alguém, é preciso esperar por pelo menos uns 18 meses. Isso significa que este não vai poder colaborar e trabalhar no carro durante dois anos”, ponderou, considerando o tempo de contrato que os profissionais mais gabaritados têm na F1 atual.
 
“Assim é a vida, é o que é. Provavelmente significa que as equipes maiores também são muito mais preparadas para a mudança de regulamento do que nós. As mudanças nas regras poderiam ser uma vantagem se hoje em dia fôssemos uma das equipes a ser batidas, mas não tenho certeza de que isso vai te permitir reduzir a distância para as equipes de ponta”, reconheceu Vasseur.
 
Questionado se a estrutura da Renault é diferente da época em que assumiu, no começo do ano, o dirigente disse não ter visto grandes mudanças no momento.
 
“Não é diferente porque o primeiro de tudo era ter uma visão clara. Bob Bell está realmente dedicado ao projeto e agora temos de identificar as possíveis contratações e os investimentos necessários. Temos feito isso nos quatro primeiros meses, e agora temos de atuar em sequência. Mas está tudo caminhando: é um projeto de longo prazo. Não vamos conseguir dar um grande passo na semana que vem”, disse.
 
A Renault chegou à sua fase dourada na F1 entre 2005 e 2006 pelas mãos de Fernando Alonso, que levou a equipe francesa ao topo do esporte. O time contratou o espanhol da Minardi no começo da década e lapidou o então jovem para ajudar a leva-lo ao Olimpo. Vasseur disse que pretende repetir o modelo para ver a Renault novamente campeã no início da próxima década.
 
“O melhor para nós, para ser sincero, seria encontrar os campeões do mundo de 2020 ou 2021 e tentar criar essa colaboração com eles a partir de agora. Se você se lembrar do passado, é a mesma história: Red Bull fez com Vettel, a Renault com Alonso... você tem de construir uma equipe com colaboração se quiser ter sucesso. Isso vai ser parte do nosso trabalho durante os próximos dois anos”, concluiu.
 
PADDOCK GP #27 RELEMBRA COBERTURA DA MORTE DE AYRTON SENNA



Últimas Notícias
domingo, 10 de dezembro de 2017
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Brasileiro de Turismo
Brasileiro de Marcas
Brasileiro de Turismo
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Stock Car
Stock Car
F1
F1
Stock Car
Galerias de Imagens
Facebook