F1
09/01/2017 07:07

Rosberg admite que “viver o presente” foi fundamental para título em 2016: “Não queria me perder em meus sonhos”

Nico Rosberg reconheceu que foi preciso mudar de mentalidade para vencer Lewis Hamilton, mas afirmou que o apoio de sua família foi fundamental também. O alemão ainda não tem planos para a aposentadoria precoce, mas vê no tênis um caminho para seguir no esporte
Warm Up
Redação GP, de Leipzig
 

Nico Rosberg voltou a recordar o duro campeonato que viveu em 2016 e a recompensa do título. O alemão conquistou a honra máxima da F1 depois de dez temporadas, sendo capaz de superar o rival e companheiro de equipe, Lewis Hamilton, para quem perdeu a taça em 2014 e 2015. Ao falar da vitória, Rosberg admitiu que uma grande mudança de mentalidade foi um dos pontos fundamentais para o triunfo contra o inglês. O outro ponto foi a família.
 
"A direção correta foi viver sempre o momento, o presente, e não me perder em meus sonhos e desejos", disse o filho de Keke Rosberg em entrevista à emissora CNN. "Trabalhei muito o lado mental, com meditação e outras coisas. O que eu queria era realmente encontrar essa direção e permanecer no presente", completou.
 
Nico admitiu que a estratégia foi tão intensa que até mesmo quando cruzou a linha de chegada em Abu Dhabi, quando encerrou a disputa, ainda se sentia tenso e que foi difícil relaxar. "Até mesmo quando terminou a corrida, ainda não me sentia contente. Na verdade, acho que me senti só um pouco aliviado. Era a primeira vez que aquilo acontecia. Mas foi bastante intenso internamente", reconheceu.

"A pressão e a intensidade eram inacreditáveis. Houve momentos realmente difíceis ao longo do caminho. Perder para Lewis os dois campeonatos anteriores foi muito, muito difícil, por isso não foi fácil lidar com isso."
Nico Rosberg se tornou campeão do mundo na F1 neste domingo em Abu Dhabi (Foto: Mercedes)

O alemão admitiu que o apoio incondicional de sua família também teve um peso importante ao longo da temporada. "A minha família me ajudou muito. Todos colocaram as corridas como prioridade número um, tudo mais se converteu em algo secundário. Nunca tinha dito momentos difíceis com minha filha pequena e todos os pais sabem como pode ser complicado. A minha esposa Vivian tomou conta de tudo isso, para que eu pudesse apenas descansar e recarregar as energias", contou.
 
Talvez por conta de todo o estresse e dedicação, Rosberg decidiu deixar a F1. A notícia sobre a aposentadoria chocou o mundo do esporte a motor e veio apenas cinco dias depois do título. Mas Nico se disse relaxado e seguro da opção que fez, mas não descarta outros esportes. "Estarei em casa, sentado no sofá, vendo tudo pela TV. Acho que será um pouco estranho, creio que vou me emocionar em ver os carros de volta e as brigas na pista. E está claro para mim que vou seguir o campeonato."
 
"Acho também vou estar envolvido com o esporte de alguma maneira. Sou um fanático, tenho um kart na França para quando quiser pilotar. Mas, no momento, não tenho nada planejado. O que necessito é competir e acredito que com outros esportes, como o tênis, posso conseguir isso", encerrou.

Últimas Notícias
quinta-feira, 23 de março de 2017
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
MotoGP
Indy
MotoGP
MotoGP
F1
MotoGP
MotoGP
F1
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook