F1
16/01/2017 10:05

Sauber confirma contratação de Wehrlein para temporada 2017 e acaba por complicar vida de Nasr na F1

Pascal Wehrlein não é o Neo, de Matrix, mas é o escolhido. Pelo menos para a Sauber. Entre Felipe Nasr, Esteban Gutiérrez e ele, a Sauber decidiu pelo mais novo do grupo - e o piloto com bala na agulha da Mercedes. É o que parecia certo nas últimas semanas e que em outro momento seria mais passível de comemoração que agora. Wehrlein perdeu a vaga de Nico Rosberg, e agora recebe o prêmio de consolação
Warm Up
PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro

O momento que era temido por boa parte dos fãs brasileiros de F1 foi confirmado na manhã desta segunda-feira (16) pela Sauber: Felipe Nasr está fora da equipe pela qual fez sua estreia na F1 e guiou nos últimos dois anos. Se Nasr vê suas chances de permanecer no grid em 2017 caírem pelo chão, Pascal Wehrlein recebe um amargo prêmio de consolação. O alemão, campeão do DTM em 2015 e dono de um ponto pela Manor na F1 em 2016, esteve na disputa para substituir Nico Rosberg no cockpit campeão mundial da Mercedes. Acabou na Sauber. O salto extraordinário deu lugar ao trabalho de formiga. Será Wehrlein ao lado de Marcus Ericsson em 2017.
 
No final da disputa pela vaga da Mercedes, sabia-se que apenas Wehrlein e Valtteri Bottas eram candidatos, mas o acordo revelado pelo GRANDE PRÊMIO de Felipe Massa para retornar à Williams deixou qual evidente qual era a intenção na equipe dirigida por Toto Wolff. E que, se realmente Bottas fosse o piloto selecionado para o lugar do campeão, Wehrlein seria o novo piloto de uma equipe de Hinwil que deseja ingressar em dias melhores após chafurdar nas últimas posições em 2016 conseguindo marcar pontos apenas na 20ª etapa do ano - e com Nasr.

Campeão mais jovem da história do DTM - então aos 21 anos de idade -, Wehrlein tem por trás de si o poderio técnico e financeiro da Mercedes. Seu primeiro ano de F1, pela Manor, começou de forma promissora e terminou estranho. O alemão chegou a marcar ponto com o décimo lugar na Áustria e terminou relegado como segundo pupilo mais importante da Mercedes, atrás de Esteban Ocon. Sem a vaga da Force India que lhe parecia assegurada, porém, viu a sorte sorrir com a aposentadoria de Rosberg. Mas não deu certo da forma como imaginava. Pascal se garante na Sauber para tentar uma redenção no ano que se avizinha. 
Pascal Wehrlein (Foto: Manor)
"Estamos muito contentes em confirmar Pascal Wehrlein como nosso segundo piloto para a temporada 2017 do Mundial de F1", começou a chefe da Sauber, Monisha Kaltenborn. "Pascal mostrou talento durante sua carreira - nos monopostos assim como no DTM. Ano passado, em seu ano de calouro na F1, provou o potencial ao marcar um ponto no GP da Áustria em Spielberg. Há certamente mais por vir de Pascal, e nós queremos dá-lo uma chance de crescer e aprender no topo do automobilismo. Estou confiante de que Marcus e Pascal formarão uma combinação sólida em 2017", disse.

Ao passo que o nono contratado também se manifestou. "Eu estou muito feliz em me tornar parte da Sauber para a temporada vindoura da F1. É um novo desafio numa nova escuderia, e estou muito animado e ansioso para essa nova aventura. Nosso objetivo é nos estabelecermos no meio do pelotão e marcar pontos de forma regular. Com isso dito, farei meu melhor na Sauber. Agora, estou ansioso para encontrar todo mundo no time e começar as preparações para a temporada 2017. Quero dizer um grande 'obrigado' à Sauber por confiar em mim e me dar esta grande chance. E, com certeza, um grande agradecimento à Mercedes por todo o suporte", completou.


Mesmo antes de toda a situação desencadeada pela aposentadoria de Rosberg, a saída de Nasr da Sauber não era uma surpresa. Bancado pelo Banco do Brasil para chegar à F1, Nasr se viu em problemas com o corte de gastos enorme que assumiu a instituição financeira. O Banco do Brasil quis diminuir o investimento e procurou uma parceria - sabidamente a Petrobras - para dividir o fardo que é investir num piloto de F1, mas não obteve sucesso e resolveu sair de uma vez.
Felipe Nasr se complicou (Foto: Sauber)
A saída do BB representou mais do que Felipe podia aguentar na luta por uma vaga. Mesmo tendo garantido o décimo lugar do Mundial de Construtores para a Sauber com o nono lugar do GP do Brasil - um montante que pode chegar a € 40 milhões (ou R$ 143 milhões), segundo a imprensa europeia -, a recompensa financeira que Hinwil esperava era maior. O valor do prêmio da FOM pode não ser definitivo na sobrevivência da Sauber, mas dá um imenso alívio. O banco federal segue patrocinando Felipe, diga-se, mas deixou claro que não seria mais mecenas privado da Sauber.

Nasr deixa a F1 após 39 largadas em dois anos e 29 pontos. Seu melhor resultado foi o quinto lugar com que debutou na categoria, no GP da Austrália de 2015, embora seu grande momento tenha sido mesmo no GP do Brasil de 2016, quando arrancou a fórceps os primeiros pontos da temporada da Sauber numa pista caótica de Interlagos.

A Manor ainda não definiu suas duas vagas, porém nem se sabe se correrá. Em grave crise financeira, encara um processo de administração judicial. Mas ainda que a Manor se recuperasse do dia para a noite, Nasr, sem dinheiro a oferecer, fica de mãos atadas e com poucas chances de um assento na menor equipe do grid da F1, que deve recrutar gente que possa providenciar uma injeção financeira. 
BRUNO SENNA FALA DA CARREIRA, DO FUTURO E DA VOLTA DE MASSA

Últimas Notícias
quarta-feira, 26 de abril de 2017
Indy
Indy
F1
F1
F1
F1
F1
Indy
MotoGP
MotoGP
terça-feira, 25 de abril de 2017
Outras
Indy
F-E
F1
Indy
Galerias de Imagens
Facebook