F1
31/12/2014 10:40

Schumacher não fala, mas se comunica através dos olhos e chora quando escuta voz da esposa ou dos filhos, diz revista

De acordo com a revista italiana ‘Autosprint’, Michael Schumacher ainda não consegue falar um ano após o acidente, tendo sua comunicação toda limitada a movimentos com os olhos. A boa notícia, para a publicação, é que o heptacampeão não está preso a uma cama
Warm Up
Redação GP, de São Paulo
Surgiu neste último dia de 2014 aquele que talvez seja o mais detalhado relato de qual é a situação do heptacampeão mundial de F1 Michael Schumacher. Segundo informações da revista italiana ‘Autosprint’, o alemão, prestes a completar 46 anos de vida, ainda não recuperou a fala depois do acidente de esqui sofrido em 29 de dezembro de 2013, mas pelo menos não passa o tempo todo em uma cama e chora ao escutar a voz da família.

A reportagem da revista, que diz ter apurado e verificado os relatos da forma mais objetiva possível, tratou como “boa notícia” o fato de que Schumacher “não vive preso ao seu leito”.

Para passar por fisioterapia, o piloto é colocado em uma cadeira de frente para uma janela na casa em que vive, em Gland, na Suíça — ele está lá desde setembro, quando deixou a clínica de reabilitação para a qual foi levado após deixar o Centro Hospitalar Universitário de Grénoble, nos Alpes Franceses.
Michael Schumacher (Foto: Getty Images)
Durante este processo, Schumacher não fala. Ele consegue se comunicar através de movimentos com os olhos, pois “os músculos faciais estão quase imóveis e incapazes de demonstrar emoções e realizar movimentos independentes”.

“Michael chora quando escuta a voz dos filhos ou da esposa Corinna. É uma demonstração de que ele tem emoções. É assim que o cérebro funciona, é a única forma que seu forte caráter tem para externar um sentimento. O sinal de que ele está vivo, ainda que um prisioneiro do corpo imobilizado”, diz o texto. Schumacher tem dois filhos, Gina-Maria e Mick.

O piloto sofreu traumatismo craniano ao cair de seu esqui e bater a cabeça em uma pedra na estação de Méribel, nos Alpes Franceses, há um ano. Oficialmente, ele atravessa um processo “delicado, longo e difícil, e sem prazo para recuperação plena”, mas informações mais detalhadas sobre seu estado de saúde não foram divulgadas pela família.

A recuperação

Depois de quase seis meses internado no Centro Hospitalar Universitário de Grénoble, na França, Michael foi transferido em meados de junho para o Hospital Universitário de Cantão de Vaud, na Suíça, para dar sequência ao seu longo processo de recuperação. 
 
No início de setembro, Schumacher deixou a clínica suíça e foi levado para a casa. Na nota enviada à imprensa pela assessoria de Michael na época, a transferência não indicava uma melhora significativa em seu quadro. Segundo a imprensa alemã, o maior vencedor da F1 vem sendo tratado por uma equipe especializada de 15 pessoas.

As imagens de Michael Schumacher
PAZ E AMOR

Ao GRANDE PRÊMIO, Nelsinho Piquet falou do ano cheio que viveu em 2014 e da adaptação às diferentes categorias que disputou nesta temporada. O brasileiro de 29 anos se disse um apaixonado por pilotar e que apenas procura um “ambiente em que possa se divertir, sem ficar estressado”

“A verdade é que quanto mais experiência você possui, melhor você consegue se adaptar a outros tipos de carros", declarou o piloto.


Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
O ÚLTIMO CAMPEÃO

Há um ano e meio, Jacques Villeneuve, o último piloto campeão pela Williams, mostrava-se bastante receoso quanto ao futuro do time. Hoje, o pensamento do canadense é diferente — ainda que ele fale da transformação da equipe com alguma cautela. Em entrevista exclusiva à REVISTA WARM UP, em julho de 2013, Villeneuve dissera que, “no momento em que uma equipe passa a ter pilotos pagantes, está acabado”. O pensamento do piloto é direto: ter bons pilotos é que atrai os bons patrocínios. Neste ano, com Felipe Massa se juntando a Valtteri Bottas, a equação mudou, e o campeão de 1997 avaliou a nova fase do time.

Leia a entrevista com Villeneuve na REVISTA WARM UP.
MELHORES DO ANO
 
E assim, como num passe de mágica, 2014 passou. Foi rápido mesmo. Se Vettel decepcionou, a Mercedes dominou e o medo de acidentes fatais voltou à F1; se a Ganassi não correspondeu e Will Power fez chegar o dia que parecia inalcançável; se Márquez deu mais um passou para construir uma dinastia; se Rubens Barrichello viveu sua redenção, tudo isso é sinal das marcas de 2014 no automobilismo. Para encerrar e reforçar o que aconteceu no ano, a REVISTA WARM UP volta a eleger os melhores do ano.


Últimas Notícias
sábado, 18 de novembro de 2017
Endurance
Brasileiro de Turismo
F3
Motociclismo
F1
Stock Car
MotoGP
Rali
Motociclismo
World Series
Stock Car
MotoGP
Superbike
F3
Turismo
Galerias de Imagens
Facebook