F1
07/11/2014 21:45

'Setor G': Alonso expressa literalmente em Interlagos o que fez nestes anos todos de Ferrari: apagar incêndio

Fernando Alonso foi a imagem do dia nesta sexta-feira (7) em Interlagos. O fogo que quase consumiu seu carro no fim do TL2 revela um pouco da triste fase que a Ferrari e o próprio piloto estão tendo de lidar neste ano
Warm Up, de Interlagos
EVELYN GUIMARÃES, de Interlagos
Que Mercedes que nada. A história do primeiro dia de treinos livres em Interlagos tem como protagonista a dupla Fernando Alonso/Ferrari. O espanhol foi apenas o sétimo na tabela de tempo, 0s999 atrás da Mercedes de Nico Rosberg. Ou seja, fosse um dia normal, o bicampeão não passaria de um coadjuvante na atual fase, mas hoje virou o foco principal da sessão, mas não por um bom motivo.

No fim do segundo treino livre, o asturiano vinha abrindo mais uma volta rápida, quando o seu motor apresentou problemas — a unidade já estava no fim de sua vida útil, e o time mais ou menos sabia que falhas poderiam surgir, por isso o dano não vai comprometer o fim de semana. A parte traseira começou a pegar fogo, forçando o piloto a encostar perto da mureta no meio da Reta Oposta. Alonso saltou do carro, pegou um extintor e tratou de apagar as chamas.
Ferrari de Alonso é retirada após motor pegar fogo (Foto: AP)
De fato, não é a primeira vez que o espanhol precisa apagar incêndios na Ferrari. Responsável nos últimos anos pelos melhores resultados da equipe italiana na F1, Fernando assumiu o papel de ‘porta-voz’, aquele que sempre tem uma palavra de otimismo, que crê na melhora e responde aos questionamentos mais polêmicos.

Mesmo nos momentos mais difíceis, como na ordem de equipe na Alemanha em 2010, o bicampeão segurou a onda. Nunca se voltou contra a equipe propriamente. Nem quando perdeu os títulos de 2010 e 2012. E nem esse ano, quando a coisa começou a pegar. Mas agora parece que o fogo, mais do que parte da F14T, consumiu também o ânimo do piloto. Por isso, a imagem foi tão emblemática e revelou muito da decepção que virou Maranello.

A equipe italiana não evoluiu mais uma vez. Não saiu do lugar, e essa é a verdade. O tão falado planejamento não deu certo, a unidade de força não correspondeu a contento, o projeto do carro idem. Os dois pilotos lutaram o ano inteiro com um modelo errático e pouco competitivo. Foram apenas dois magros pódios, ambos com Fernando. A última vitória foi há mais de um ano.

O bicampeão usou a palavra frustração para definir a temporada. Disse, inclusive, que nem um GP caótico pode ajudar a Ferrari a entrar em uma briga pela ponta. “Não estamos nesse nível”. A frase, dita na penúltima etapa do Mundial, diz muito.

Embora tenha contornado hoje o fogo na F14T, não será mais de Alonso a tarefa de devolver a equipe a uma posição de destaque na F1. "O time precisa de uma motivação nova", disse o espanhol ontem. Talvez mais que isso.
Últimas Notícias
sábado, 29 de abril de 2017
Indy
Rali
F3
Indy
Nascar
Nascar
MotoGP
Outras
Motociclismo
F1
F1
MotoGP
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook