F1
16/01/2017 13:45

Stop & Go: Felipe Massa

"Quando a imprensa começou a informar que eu talvez retornasse, fiquei tocado com a resposta de tantos fãs que queria me ver de volta. Isso certamente foi um fator, então eu gostaria de agradecer aos fãs pelo suporte. Mas, no final das contas, quando eu recebi a ligação era uma oferta que eu não podia negar. Era a Williams!"
Warm Up
Redação GP, do Rio de Janeiro
 

A decisão, em si, não foi surpresa. Mas o timing do anúncio, sim. As próximas novidades estavam sendo esperadas para o dia 23 de janeiro, mas o quebra-cabeças montado pelo adeus de Nico Rosberg viu seu desfecho nos primeiros minutos da tarde desta segunda-feira (16). Primeiro, Pascal Wehrlein foi confirmado na Sauber. A Mercedes fez piada, sugeriu com um nariz que Felipe Massa seria o próximo. E não tardou a ficar provado que o nariz era mesmo de Massa e não de algum Pinóquio caloteiro da Mercedes. A Williams, de supetão, confirmou que Felipe está de volta e será piloto da escuderia para 2017.
 
Como adiantado pelo GRANDE PRÊMIO em 19 de dezembro, Massa tinha um contrato assinado desde então que apenas esperava a confirmação de Valtteri Bottas na Mercedes. Com tudo certo, não havia mais o que deliberar. O contrato de Massa é de um ano, para aumentar a carreira e a história na Williams. Nos três anos em que guiou pela equipe, Felipe apareceu mais feliz do que nas temporadas anteriores de Ferrari. E, como ele mesmo destaca, isso pesa.
 
A Williams seguiu o anúncio com uma longa entrevista de Felipe nos moldes de pergunta e resposta publicada no site oficial da escuderia de Grove, que o GP replica. Nela, Massa destaca como se sente parte da família Williams e como não voltaria à F1 se recebesse chamado de outras equipes. Comemorou o fato de trabalhar com o novato Lance Stroll a quem conhece há muito tempo. 
 
O segredo menos guardado da 'silly season' foi confirmado, enfim: Massa voltou sem nem bem ir.
Juntos de novo (Foto: Reprodução/Twitter)

Williams: Você disse no final da última temporada que sentia que era o momento certo para se aposentar da F1. O que mudou?
 
Massa: Minha intenção era correr em algum lugar, porque eu ainda tinha paixão pelo esporte e por competir. Também tenho um forte amor pela Williams, já que gostei muito dos meus últimos três anos com o time. Então, voltar e ajudar a dar estabilidade e experiência para caminhar com as coisas em 2017 parecia o certo.
 
Williams: Você poderia ter olhado para outras oportunidades de ficar na F1 já que estava aberto à ideia?
 
FM: Eu tenho paixão por correr, competir e lutar na pista. Meu retorno não é uma questão de ver a F1 como a melhor opção, mas ver o papel na Williams como a melhor opção. Eu não teria retornado por outro time.
 
Williams: Você deixou o esporte em tão alta conta no final da última temporada, há algum perigo de que não ganhe a mesma recepção por ter retornado?
 
FM: As cenas no Brasil e em Abu Dhabi ano passado são coisas que eu jamais vou esquecer. Fico muito grato por tudo que aconteceu ano passado e todas as mensagens de carinho. Aconteça o que acontecer esse ano, sempre deixarei o esporte com a cabeça levantada.
 
Williams: Você ainda tem desejo de correr na F1?
 
FM: Quando eu me juntei à Williams, em 2014, encontrei um time e uma família que eu amei fazer parte. Certamente não perdi o desejo de correr e lutar na pista. O que fosse que eu fizesse desse ano, colocaria 100% de esforço em fazer o melhor trabalho que eu posso. E, se não tivesse paixão, não concordaria em retornar.
 
Williams: Você foi ligado a algumas categorias durante o inverno [europeu]. O quão longe foram essas conversas?
 
FM: Desde que eu anunciei minha aposentadoria, avaliei minhas opções e tive algumas oportunidades apresentadas a mim que poderiam ser seguidas. No entanto, tomei minha decisão e agora esse é o meu foco.
Massa agradeceu muito o carinho da torcida (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Williams: Como se sente em substituir seu antigo companheiro Valtteri?
 
FM: Ir aos atuais campeões mundiais é uma grande oportunidade para Valtteri. É um piloto talentoso e foi ótimo para se trabalhar junto por três anos. Desejo-lhe todo o melhor nesse próximo capítulo da carreira.
 
Williams: Podemos dizer que dinheiro foi um fator na sua decisão de ficar com a Williams?
 
FM: Não vou discutir números ou detalhes da negociação. Tudo o que vou dizer é que foi a decisão correta e estou feliz de continuar como parte da equipe.
 
Williams: O que ajudou a tomar a decisão e quais fatores você levou em consideração?
 
FM: Acho que o que ajudou foi o final da última temporada, com a inesperada aposentadoria de Nico iniciando uma sequência única de acontecimentos. Valtteri recebeu uma oportunidade fantástica e, como resultado, uma oportunidade apareceu para mim. Quando a imprensa começou a informar que eu talvez retornasse, fiquei tocado com a resposta de tantos fãs que queriam me ver de volta. Isso certamente foi um fator, então eu gostaria de agradecer aos fãs pelo suporte. Mas, no final das contas, quando eu recebi a ligação era uma oferta que eu não podia negar. Era a Williams!
 
Williams: Você pode confirmar que é um contrato de um ano?
 
FM: No momento, o acordo é para 2017 apenas. Eu não pensei além disso.
 
Williams: Quais as considerações em seu novo companheiro de equipe, Lance Stroll?
 
FM: Estou ansioso em trabalhar com Lance, especialmente conhecendo-o há algum tempo. Ele provou nos campeonatos que correu até agora que merece a oportunidade, e é ótimo receber um novo talento na F1. Lance talvez seja jovem, mas a Williams tem uma história de trazer jovens pilotos para a F1. Ele sabe que há uma curva de aprendizagem agressiva à frente, mas o esporte a motor é um esporte de equipe, e eu estou ansioso para ajudá-lo da forma que puder.
 
Williams: Quais seus pensamentos e esperanças para 2017?
 
FM: Será um ano divertido com todas as mudanças de regra, e passarei muito tempo com o time me preparando para a nova temporada. É cedo para previsões, já que nem viramos o volante ainda. Mas o que posso dizer é que estou ansioso para guiar o FW40 quando os testes começarem mês que vem.
 
Williams: A equipe está completando 40 anos de idade esse ano. Está ansioso para fazer parte disso?
 
FM: Sim, sim. Muito. A Williams tem uma história tão incrível no esporte, e atingir esse marco é um feito fantástico. Sei que o time tem mais planos para comemorar esse ano, e estou ansioso para fazer parte deles.

BRUNO SENNA FALA DA CARREIRA, DO FUTURO E DA VOLTA DE MASSA


Últimas Notícias
quarta-feira, 26 de abril de 2017
Indy
Indy
F1
F1
F1
F1
F1
Indy
MotoGP
MotoGP
terça-feira, 25 de abril de 2017
Outras
Indy
F-E
F1
Indy
Galerias de Imagens
Facebook