F1
14/03/2017 06:45

Teimosia, “nãos” à Mercedes e obsessão por Senna: por que Alonso decidiu sofrer na McLaren

Bicampeão mundial em 2005 e 2006, Fernando Alonso já completou uma década de frustrações e deve continuar seu calvário nesta temporada, com outro carro problemático. O que poucos sabem é que ele mesmo teve a chance de mudar seu destino mais de uma vez - entre os motivos que o fizeram insistir, está a vontade de repetir a história de Ayrton Senna, seu maior ídolo
Warm Up, de Barcelona
THIAGO ARANTES, de Barcelona
 

A imagem de Alonso no pódio de Interlagos, abraçado ao vencedor Felipe Massa, em 22 de outubro de 2006, parece já pertencer a outra época da F1. O espanhol, então com 25 anos, festejava seu segundo título com cara de garoto e sob os olhares de um mundo que fazia previsões: com a aposentadoria de Michael Schumacher, Alonso seria o novo dono da categoria pela década seguinte. 
 
A década seguinte passou, e Alonso continua bicampeão. A cara de garoto já não existe mais, e o currículo mostra uma peregrinação por três equipes – McLaren, retorno à Renault, Ferrari e novamente McLaren –, com três vice-campeonatos como melhor resultado. 
 
O que não mudou foi o respeito dos companheiros pista. Alonso continua sendo considerado um dos melhores pilotos do grid, para muitos o melhor. Mas por que, afinal, ele simplesmente não consegue mais disputar títulos? A resposta, nos últimos três anos, é fácil: a McLaren-Honda jamais deu a ele um carro em mínimas condições de se aproximar as vitórias, e em 2017 não deve ser diferente
Mesmo sem jamais ter recebido da McLaren-Honda um carro competitivo, Alonso insiste em continuar (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Surge então, uma outra pergunta: por que Alonso continua na McLaren? Porque simplesmente não se rebela, quebra o contrato e parte em busca de uma equipe em possa, finalmente, tentar cumprir a expectativa de dominar a F1? 
 
Parte da resposta é dada pelo próprio piloto, e tem relação direta com sua personalidade. Pessoas que convivem com o espanhol há anos costumam defini-lo como “teimoso” e “cabeça-dura”. O asturiano não discorda. “Eu sou um eterno ‘do contra’. Quando as pessoas estão pessimistas, eu sou otimista; quando estão entusiasmados, eu me preocupo”, disse, durante os testes em Barcelona. 
 
Além de teimoso, Alonso é orgulhoso. A ponto de, por duas vezes, ter dito “não” à Mercedes, equipe que dominou o campeonato nos últimos três anos. 
 
Dono do maior salário da F1 durante a última década, o espanhol considera que o fato de ser o mais bem pago do Mundial reflete sua condição de piloto de ponta, mesmo que os resultados não o acompanhem. “Não se trata de ser mercenário, mas de sentir-se valorizado e de saber que a equipe que está pagando tudo aquilo fará o máximo por ele”, afirma Manuel Franco, repórter do jornal AS e um dos jornalistas que melhor conhece Alonso. 
Alonso teve a chance de ir para a Mercedes, mas optou por continuar na McLaren e cumprir seu contrato (Foto: McLaren)
Foi justamente a questão salarial que impediu uma primeira investida da Mercedes pelo asturiano, no final de 2014, quando acabava seu contrato com a Ferrari – a montadora alemã ofereceu uma quantia menor que ele ganhava em Maranello, e as negociações não foram adiante. 
 

O outro “não” de Alonso à Mercedes aconteceu nos últimos meses, por outro motivo. Na busca por um substituto para Nico Rosberg, a equipe tinha Alonso no topo de sua lista, desde que ele se encarregasse de sair da McLaren por sua conta, negociando todo o rompimento de contrato e pagamento de multas, sem nenhuma participação dos alemães. Houve outra resposta negativa.
 
Questionado sobre o assunto pelo GRANDE PRÊMIO em Barcelona, o espanhol irritou-se. “Se quiser, depois te passo minha entrevista da semana passada, já falei tudo lá. Se você tem contrato com uma equipe e está feliz nesta equipe...”, disse. Diante da réplica de que Valtteri Bottas, o escolhido pela Mercedes, também tinha contrato e estava feliz na Williams, lançou: “Ele também tinha outro empresário”. 
 
Um dos empresários de Bottas era Toto Wolff, chefe de equipe da Mercedes (ele deixou o grupo de agentes do finlandês após sua ida para a equipe); e o empresário de Alonso é Luis Garcia Abad, responsável direto pela negativa à escuderia alemã.  
 
Mas não são apenas as cifras ou as situações de contrato que fazem o bicampeão continuar na McLaren. Existe, também, um motivo humano. Uma idolatria, quase uma obsessão, por outro piloto que brilhou na equipe inglesa: Ayrton Senna. 
Alonso sonha em repetir o feito de Senna e também ser campeão na McLaren-Honda (Foto: Getty Images)
O tricampeão é o grande ídolo de Alonso. Seu primeiro kart – construído pelo pai, para sua irmã – era uma tentativa de réplica da McLaren-Honda do final dos 1980, com patrocínio da Marlboro, com a qual Senna alcançou todos os seus títulos mundiais. Mais de uma vez, o espanhol já disse que cresceu em um quarto com as paredes estampadas com pôsteres do ídolo. 
 

“É algo que ele tem muito presente: essa vontade de ganhar onde Ayrton Senna ganhou. De vencer e ser campeão na equipe de Senna”, explica Manuel Franco. A parceria McLaren-Honda, de fato, remete a uma mística especial. Mas o momento atual de Alonso tem sido comparado pela imprensa espanhola a outra fase da carreira de Senna, a das temporadas em que o brasileiro não tinha um carro para ser campeão na McLaren, na fase final da sua passagem pela equipe, e sofria por isso. 
 
O calvário de Senna na McLaren durou duas temporadas – 1992 e 1993; o de Alonso entra em sua terceira, mas o asturiano parece anestesiado diante das decepções e confiante de que conseguirá vencer com a equipe de seu ídolo. “Eu não deixarei de correr sem que esteja me sentido bem e com os resultados que mereço. Se algum dia eu vejo que os outros freiam mais tarde que eu, que são melhores, eu paro. Mas agora vejo justamente o contrário”. 

PADDOCK GP #68 ANALISA SEGUNDA SEMANA DE TESTES DA F1 EM BARCELONA



Últimas Notícias
sexta-feira, 17 de novembro de 2017
F1
Nascar
Brasileiro de Marcas
Brasileiro de Turismo
F1
Rali
F1
World Series
Stock Car
Endurance
World Series
World Series
Stock Car
World Series
F1
Galerias de Imagens
Facebook