F1
29/12/2016 00:00

Três anos após acidente, Schumacher tem estado de saúde envolto a novos boatos e mesmos mistérios

Michael Schumacher completa três anos do grave acidente sofrido na estação de esqui de Méribel, na França. De lá para cá, pouco se sabe da condição clínica do heptacampeão, já que sua família e sua assessora tratam tudo com sigilo absoluto
Warm Up
GABRIEL CURTY, de São Paulo
 

Nesta quinta-feira (29), completam-se três anos do acidente sofrido por Michael Schumacher enquanto esquiava na estação de Méribel, nos Alpes Franceses, e bateu a cabeça numa rocha, sofrendo um traumatismo craniano grave. Desde então, quase nada de concreto foi divulgado e a situação do heptacampeão é cercada de boatos. 
 
A família, liderada pela esposa Corinna, a empresária Sabine Kehm e o advogado Felix Damm defendem o direito à privacidade. Mesmo sendo uma figura pública, as pessoas que o cercam se recusam a dar qualquer notícia a respeito do seu estado de saúde, da sua recuperação após estar internado em uma UTI em sua própria casa, na Suíça.
 
A falta de notícias sempre deu margem a muitos rumores e, no terceiro ano após o acidente, não foi diferente. Dessa vez, boatos de que o heptacampeão estava à beira da morte se espalharam em maio, e uma declaração bastante negativa de Jean Todt deu peso a eles. No fim, eram tão somente rumores. Como tantos outros.
Jean Todt nunca esconde a tristeza ao falar do amigo Michael Schumacher (Foto: Getty Images)
Os dois primeiros anos foram marcados por rumores acerca do peso do heptacampeão. O 'Daily Express', por exemplo, chegou a informar que Schumacher estava com menos de 45 kg. Nesse aspecto, pelo menos, os boatos diminuíram, muito pela insistência de Sabine ao dizer que a família quer privacidade e não indo além de dizer que a situação é "muito difícil".
 
Luca di Montezemolo teve dois momentos sobre Schumacher em 2016. Dirigente histórico da Ferrari nos tempos de glória do alemão, o italiano começou o ano com grande pessimismo, mas não demorou muito para garantir que o heptacampeão estava reagindo. Ross Brawn, enquanto isso, foi no caminho oposto, primeiro dizendo que Michael demonstrava "sinais encorajadores" e, depois, voltando atrás.
 
O cerco e o sigilo em torno da condição clínica do heptacampeão impedem, desde o início, que seu antigo empresário, amigo e uma das figuras mais marcantes da sua trajetória no esporte, Willi Weber, o visite em sua casa na Suíça. E essa história teve mais um capítulo em 2016, quando Weber contou que estava "sofrendo como um cão" pela falta de informações.
Michael Schumacher e Luca di Montezemolo (Foto: Getty Images)
2016 marcou também a entrada de Michael nas redes sociais. Obviamente, sua equipe vem controlando postagens, mas se engana quem pensa que vai encontrar algo de diferente de fotos e vídeos de antigas conquistas do heptacampeão. No fim das contas, são perfis de homenagem ao alemão.
 
No início do ano, o jornal espanhol 'Marca' afirmou que o estado de Schumacher ainda era frágil, mas não mais crítico. A publicação alemã 'Bunte' foi além e disse que o heptacampeão conseguia andar, mas a família do alemão tratou de negar isso rapidamente e ainda abriu processo.
 
O ano, que marcou os 1000 dias do acidente no final de setembro, terminou com uma situação inacreditável. Um paparazzo tentou vender à imprensa europeia uma suposta foto de Schumacher deitado em casa por aproximadamente R$ 4,2 milhões. A promotoria alemã afirmou que as fotos violam "o âmbito privado da vida de Schumacher" e estão com uma investigação em curso para precisar o que aconteceu no incidente do paparazzo. 
 
Não foi a primeira vez que algo relacionado a Michael é roubado. Em 2014 um funcionário da empresa de ambulâncias aéreas que transportou Schumacher afanou o prontuário médico do maior vencedor de provas da história da F1 e tentou vender, mas ninguém comprou e ele acabou preso. Em seguida, se suicidou na prisão em que estava.
Mick Schumacher (Foto: Reprodução/Twitter)
Apesar de todo o silêncio e o cerco em volta da família, os Schumacher seguem suas vidas. A vida tem de seguir, afinal. Mick, filho do heptacampeão, em 2017 estará no grid da F3 Europeia, uma das principais categorias de acesso à F1, tendo a chance de dividir curvas contra Pedro Piquet, filho mais novo do tricampeão Nelson Piquet.
 
Maior campeão da história da F1 e tido pela maioria dos fãs de automobilismo como o grande piloto de todos os tempos, Schumacher completa 48 anos no próximo dia 3 e segue em uma batalha bastante misteriosa para quem não está dentro de sua casa.


Últimas Notícias
sábado, 18 de novembro de 2017
Motociclismo
World Series
Stock Car
MotoGP
Superbike
F3
Turismo
F1
F1
F1
Motociclismo
sexta-feira, 17 de novembro de 2017
F1
Nascar
Brasileiro de Marcas
Brasileiro de Turismo
Galerias de Imagens
Facebook