F1
26/07/2015 13:52

Vettel vence corrida maluca na Hungria e iguala marca de Senna. Red Bull vai ao pódio e Alonso é 5º

O favoritismo de Lewis Hamilton em Hungaroring ruiu logo na largada. Melhor para Sebastian Vettel, que assumiu a liderança na primeira curva e não foi mais superado. O tetracampeão mundial igualou uma marca histórica numa corrida inacreditável ao chegar às mesmas 41 vitórias de Ayrton Senna
Warm Up
FERNANDO SILVA, de Sumaré
Não faltou emoção ao GP da Hungria. Desde a largada, a corrida ganhou contornos imprevisíveis depois que Lewis Hamilton e Nico Rosberg, como em Silverstone, largassem muito mal, dando brecha para que a Ferrari ocupasse a ponta com Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen. O alemão abriu grande vantagem e parecia rumar para uma vitória tranquila neste domingo (26), mas a entrada do safety-car após o acidente de Nico Hülkenberg mudou tudo de novo.

Só que Vettel não é tetracampeão do mundo à toa. No braço, o piloto da Ferrari segurou o ímpeto final de Nico Rosberg e do surpreendente Daniel Ricciardo para vencer pela segunda vez na temporada e pela 41ª na carreira, igualando ninguém menos que Ayrton Senna em uma corrida de desfecho inacreditável e que teve no pódio Daniil Kvyat e Daniel Ricciardo.
Sebastian Vettel venceu com autoridade o GP da Hungria, uma corrida verdadeiramente maluca (Foto: AP)
A cinco voltas do fim, Ricciardo acabou tocando a asa dianteira do seu carro no pneu traseiro esquerdo de Rosberg, que acabou furado. Daniel seguiu na pista e conseguiu terminar a corrida em um sólido terceiro lugar. O segundo acabou caindo no colo de Kvyat, que conquistou seu melhor resultado na carreira. Como também foi o quarto lugar de Max Verstappen. Fernando Alonso, por sua vez, completou a prova em quinto lugar, melhor performance da McLaren em um sofrido ano de 2015.

Depois de todo o favoritismo mostrado em todo o fim de semana, Lewis Hamilton fez uma corrida horrorosa e não foi nem sombra do campeão que vem dominando a temporada. Mas, depois de muitos altos e baixos, o britânico ainda conseguiu terminar em sexto. Romain Grosjean voltou à zona de pontuação com o sétimo lugar, enquanto Rosberg ainda salvou alguns pontos e terminou em oitavo. Jenson Button regressou ao top-10 e passou em nono, enquanto Marcus Ericsson, companheiro de equipe de Felipe Nasr, fechou o rol dos dez primeiros.

A corrida dos brasileiros foi bastante difícil. Na raça e tendo de lidar com as deficiências da Sauber, Nasr quase pontuou e acabou em 11º. O novato foi melhor que Felipe Massa, que fez sua pior corrida no ano e só passou em 12º.

O NOVO PROJETO DO GRANDE PRÊMIO
Flavio Gomes explica os detalhes do projetoColabore com o projeto e ganhe uma camiseta da Red Bull
Confira como foi o GP da Hungria de F1:

Depois de uma largada abortada em razão de Felipe Massa ter se colocado fora da sua posição no colchete no grid, o GP da Hungria finalmente teve início. E assim como aconteceu na Inglaterra há duas semanas, a Mercedes largou muito mal. Lewis Hamilton não tracionou bem e perdeu posições para Sebastian Vettel, Nico Rosberg e Kimi Räikkönen. Na primeira curva, Vettel tomou a frente após passar Rosberg por fora, seguido por Kimi, que fez uma ultrapassagem muito aguerrida para cima do alemão. Enorme largada da Ferrari.
A dupla da Mercedes fica de lado, Vettel dá o pulo do gato e assume a ponta para vencer na Hungria (Foto: AP)
Na disputa pelo terceiro lugar, Rosberg e Hamilton passaram pelo trecho antes da chicane, com Lewis cometendo um erro, perdendo muitas posições. Nico manteve o terceiro lugar, mas o britânico passou a remar para recuperar terreno e voltar às primeiras colocações na corrida. Massa, sob investigação depois do incidente na largada, foi punido em 5s, que seria cumprido em sua primeira parada para troca de pneus.

A prova ganhou uma dinâmica muito diferente. As duas Ferrari lideravam, e Rosberg não chegava a ameaçar a posição de Vettel e tampouco de Kimi. Hamilton, encaixotado pelo ritmo de Massa, estava em décimo lugar, mas sofria a pressão de Sainz Jr. No começo da prova, Bottas vinha em quarto, seguido pelo ótimo Nico Hülkenberg. Na sequência, apareciam as duas Red Bull, com Kvyat à frente de Ricciardo e Pérez, em oitavo, seguido por Massa. Nasr seguia em 18º, sua posição de largada.

Na abertura da décima volta, Hamilton emparelhou lado a lado com Massa. Por fora, o britânico entrou na primeira curva do circuito, mas tracionou melhor na saída, chegou a tocar roda com o carro do brasileiro e fez uma bela manobra para ganhar a nona posição. Aí o alvo de Lewis passou a ser Pérez.

E a corrida era das mais animadas em Hungaroring. Sempre com o fim da reta dos boxes como grande ponto de ultrapassagem, Hamilton ultrapassava 'Checo' Pérez e Ricciardo ultrapassava Bottas. Aí começou a movimentação nos boxes para as primeiras trocas de pneus da corrida.
Hamilton travou bela disputa com Massa no começo do GP da Hungria (Foto: AP)
Na 16ª volta, Massa fez sua parada e cumpriu a punição, ficando 5s a mais nos boxes. O brasileiro acabou caindo para 17º lugar e teria de buscar um grande ritmo para se recuperar na Hungria. E ritmo a Ferrari tinha de sobra, com  Vettel tranquilo na frente, com 2s7 de vantagem para Räikkönen. Rosberg era muito discreto e não ameaçava em momento algum a dupla de Maranello. Enquanto isso, Hamilton aproveitava as paradas de outros pilotos e já era o quinto.

Em um duelo que costuma ser explosivo e que já teve outras edições, Maldonado e Pérez dividiram a primeira curva, com os dois batendo rodas. O mexicano levou a pior na disputa com o piloto da Lotus, foi tocado e rodou, perdendo algumas preciosas posições, mas conseguiu retornar à prova sem muitos problemas. O incidente foi investigado pelos comissários, que consideraram Maldonado como culpado. O venezuelano foi punido com um drive-through.

Então, os líderes finalmente fizeram seus primeiros pit-stops. A Ferrari trabalhou de forma perfeita, assim como a Mercedes. Vettel seguia na frente, e com direito a uma então volta mais rápida: 1min26s877. Räikkönen era o segundo, à frente de Rosberg e Ricciardo. Hamilton lutava com o australiano pelo quarto lugar, reeditando uma boa disputa ocorrida no ano passado na Hungria.

Os brasileiros tentavam remar contra a maré diante de uma corrida das mais difíceis para ambos. Massa vinha só em 16º, duas posições à frente de Nasr, que não tinha ritmo sequer para atacar seu companheiro de equipe, Marcus Ericsson. Mas o piloto da Williams também não tinha ritmo algum e acabou sendo superado, pouco depois, por Ericsson e pelo próprio Nasr.

Hamilton finalmente fazia a ultrapassagem em Ricciardo e assumia o quarto lugar. Seu alvo passava a ser Rosberg. Terminar à frente do seu maior oponente na luta pelo título seria um alento depois de um corrida arruinada pelo seu próprio erro na primeira volta. E seu ritmo era muito superior ao do companheiro de equipe. 
Nico Hülkenberg sofre acidente durante GP da Hungria (Foto: Reprodução/Twitter)
Vettel seguia soberano na frente, mas Räikkönen, 11s atrás após 41 voltas, ainda tinha de lidar com um problema no seu motor, perdendo potência. Até mesmo Fernando Alonso, que vinha em décimo lugar, conseguiu descontar a volta que tinha de desvantagem para o finlandês. E não à toa, a diferença para Rosberg caía a cada volta. 

Na volta 43, Nico Hülkenberg sofreu um acidente pra lá de estranho. A asa dianteira da Force India quebrou e entrou por cima do assoalho. O piloto perdeu o controle, passou reto na curva 1 e bateu de frente na barreira de pneus. O alemão levantou do carro sem problemas, mas a direção de prova acionou o safety-car virtual. Com o ritmo mais lento de prova, todos os pilotos na corrida entraram nos boxes para a realização do último pit-stop. E na volta seguinte, o safety-car entrou na pista para guiar os pilotos pelo pit-lane, como acontece usualmente na Indy, para dar tempo aos fiscais de pista removerem os detritos espalhados pela reta.
Aí tudo mudou de novo: o safety-car aproximou todos os ponteiros e anulou a vantagem sólida de Vettel. Os quatro primeiros colocados, Seb, Räikkönen, Rosberg e Hamilton, vinham com pneus médios. Ricciardo, em quinto, estava com os macios. Então, restava apenas a disputa de pista para definir o vencedor do GP da Hungria. O carro de segurança finalmente recolheu de volta para os boxes na abertura da 49ª volta. Bandeira verde em Hungaroring.

Na relargada, Vettel escapou na frente, mas Räikkönen foi ultrapassado por Rosberg. Mais atrás, Hamilton jogou duro com Ricciardo e tocou na lateral do carro do australiano. Mas Daniel conseguiu ultrapassar a Mercedes e seguiu rumo a um improvável pódio. E Lewis, que ficou com a asa quebrada, arruinou sua corrida e teve de entrar nos boxes para trocar a peça. O britânico foi punido pouco depois pela direção de prova com um drive-through. Kimi também voltou aos boxes, e o motor apagou. Seria o fim da sua corrida. Räikkönen era outro com o resultado comprometido depois de um início promissor.

O fim do GP da Hungria era imprevisível. Vettel segurava a ponta no braço, mas o ritmo da Mercedes de Rosberg era melhor. Mas Ricciardo, com pneus macios, também tinha grandes chances até de vitória, repetindo assim o feito de 2014. E a McLaren? Fernando Alonso ocupava o sexto lugar, enquanto Jenson Button vinha em oitavo. Melhor performance do ano para o time de Woking.

Mas nas voltas finais, Vettel conseguiu segurar o ímpeto de Rosberg e Ricciardo. A cinco voltas do fim, Daniel perdeu o ponto da freada ao tentar ultrapassar Rosberg acertou forte a asa dianteira no pneu traseiro esquerdo de Nico, que acabou furado, arruinando também sua corrida. Inacreditavelmente, Kvyat assumia o segundo lugar, com Ricciardo em terceiro. 

Como um grande campeão do mundo que é, Seb guiou de forma cerebral até o fim da corrida para conquistar uma vitória histórica. Agora, o alemão se iguala a Ayrton Senna em número de triunfos, com 41. Um dia para a história da F1.
Vettel vence na Hungria e iguala Senna (Foto: AP)
F1, GP da Hungria, Hungaroring, final:

1 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI 1:46:09.985 69 voltas
2 26 DANIIL KVYAT RUS RED BULL RENAULT +15.748  
3 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT +25.084  
4 33 MAX VERSTAPPEN HOL TORO ROSSO RENAULT +44.251  
5 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA +49.079  
6 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES +52.025  
7 8 ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS MERCEDES +58.578  
8 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES +58.876  
9 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA +1:07.028  
10 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI +1:09.130  
11 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI +1:13.458  
12 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES +1:14.278  
13 13 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS MERCEDES +1:15.142  
14 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES +1:20.228  
15 98 ROBERTO MERHI ESP MANOR MARUSSIA FERRARI +2 voltas  
16 28 WILL STEVENS ING MANOR MARUSSIA FERRARI +4 voltas  
17 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO RENAULT +9 voltas NC
18 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI +14 voltas NC
19 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES +16 voltas NC
20 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES +28 voltas NC
               
MELHOR VOLTA DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RENAULT 1:24.821 Volta 68
               
RECORDE SEBASTIAN VETTEL ALE RED BULL RENAULT 1:18.773 31/07/2010
MELHOR VOLTA MICHAEL SCHUMACHER ALE FERRARI 1:19.071 15/08/2004


Últimas Notícias
terça-feira, 19 de setembro de 2017
F-E
MotoGP
F-E
F1
F1
F1
MotoGP
F1
MotoGP
F1
F1
Warm Up
F1
F1
segunda-feira, 18 de setembro de 2017
MotoGP
Galerias de Imagens
Facebook