F1
03/11/2016 09:06

Williams renova com Bottas e confirma novato Stroll como substituto de Massa para temporada 2017 da F1

Conforme se esperava, Lance Stroll e Valtteri Bottas foram escolhidos como os pilotos da Williams em 2017. O canadense Stroll parte para sua estreia na F1 com o título da F3 Europeia no bolso, mas ainda precisando provar seu talento. Bottas, por sua vez, vai para sua quinta temporada como piloto da tradicional equipe de Grove
Warm Up
VITOR FAZIO, de Porto Alegre
 

A surpresa mais mal guardada dos últimos tempos foi revelada na manhã desta quinta-feira (3) em Grove, na Inglaterra: Lance Stroll, campeão da F3 Europeia em 2016, vai fazer a estreia na F1 como substituto de Felipe Massa na Williams em 2017. O canadense vai formar dupla com Valtteri Bottas, que teve seu contrato renovado e parte para a quinta temporada na equipe britânica.
 
A notícia não pega ninguém de surpresa. As especulações vêm desde o início do ano, quando Stroll abandonou a Academia da Ferrari, virando piloto de desenvolvimento da Williams. O apoio do pai bilionário, Lawrence Stroll, megaempresário do mundo da moda, combinado com a inesperada saída de Massa da F1, abriu caminho para o jovem piloto canadense. Na verdade, o único grande impeditivo para o anúncio era a idade de Lance — a Martini não queria estampar sua marca na camisa de um piloto de 17 anos, e esperou o recente aniversário de 18.

Claire Williams, chefe-adjunta da escuderia cofundada pelo seu pai, o icônico Frank Williams, justificou a demora na decisão do anúncio da sua dupla de pilotos para 2017 e destacou as qualidades do novato Strolll. 

“É um dia em que encerramos um longo tempo para tomar a decisão. O motivo pelo qual demorou tanto foi a gestão diária. Lance teve um calendário cheio na F3 e Valtteri teve as corridas em sequência. Tomamos esta decisão há muito tempo. Não há outro motivo. Lance provou suas credenciais, ele merece seu lugar na F1. Como equipe, nós temos notoriedade por trazer jovens talentos para a F1. Este ano ele aniquilou o campeonato da F3. Ele verdadeiramente merece este lugar e estou empolgada em ver o que ele vai fazer neste ano”, disse a britânica.
 
Lance alcança a F1 ainda precisando se consolidar como um grande talento. O título na F3 Europeia foi facilitado pela pouca qualidade do grid. A má impressão deixada enquanto piloto de desenvolvimento da Ferrari também não ajuda. Traçando caminho semelhante ao de Max Verstappen, Stroll precisa mostrar que tem o mesmo ‘algo mais’ do holandês.
Lance Stroll e Valtteri Bottas vão formar a dupla da Williams para 2017 (Foto: Glenn Dunbar/Williams)
Além da importância pessoal de estrear na F1, Stroll também acaba com uma sequência de seu país. Desde a saída conturbada de Jacques Villeneuve no meio da temporada 2006, o Canadá não teve nenhum representante na categoria máxima do automobilismo.

Após o anúncio oficial, o jovem canadense escreveu nas suas redes sociais. “Este é um sonho que se torna realidade para mim. Estou muito ansioso e esperançoso em ter uma ótima temporada”.

“Eu tinha de estar focado na F3 em 2016. A Williams me queria focado na F3 e terminar de maneira adequada o trabalho. Desde agosto nós vínhamos falando sobre as oportunidades. Acho que a Williams tem muita história, e sou parte desta história agora, estou muito empolgado por estar na F1. Vai ser incrível. Estar em Melbourne — etapa de abertura da temporada — e estar em Montreal vai ser uma sensação excepcional. Estou feliz por estar no grid”, complementou.
 
Bottas também confirmou seu acordo, partindo para a quinta temporada na F1 — todas com a Williams, equipe que o acolhe desde 2013, quando substituiu Bruno Senna. Os números do finlandês são bons, mas não espetaculares: em 76 GPs, nove pódios e uma volta mais rápida. A tão sonhada primeira vitória ainda não veio, consequência direta do domínio total da Mercedes, mas Valtteri faz sua parte: o quarto lugar no Campeonato de Pilotos de 2014, seu melhor resultado, mostra que o piloto tem capacidade.

Bottas, que por tantos anos foi o mais jovem da dupla da Williams, agora vai ser a referência para o novato Stroll. O finlandês agradeceu à escuderia britânica por ter a chance de continuar e colocar na pista seu talento para ajudar o time a voltar aos tempos de glória na F1 depois de um ano particularmente difícil em 2016, quando a Williams luta com a Force India pelo quarto lugar do Mundial de Construtores.
 
“Em primeiro lugar, estou muito feliz estar começando minha quinta temporada como titular da Williams em 2017. Vai ser um ano emocionante com todas as mudanças nas regras e uma grande chance para a equipe se aproximar da ponta. Vou dar 100% para a equipe, como sempre. Obrigado a Frank, Claire e a administração da Williams pela confiança em mim. E obrigado a todos da Williams pois será bom continuar trabalhando junto a todos, tanto na fábrica como na pista”, disse.
 
“Também gostaria de estender uma calorosa recepção para Lance neste seu ingresso na equipe. Estou ansioso para ver o que podemos conseguir juntos. A Williams é minha família. Indo para a próxima temporada, serão oito anos como um todo desde que cheguei, no começo de 2010, então eu me sinto muito em casa aqui. No entanto, ainda acredito que não conseguimos o que devemos, e podemos fazer isso juntos”, complementou.
 
Mas, mais do que resolver o enigma da sua dupla de pilotos, a Williams precisa resolver o enigma de seu carro. Depois de renascer com a mudança de regulamento de 2014, a equipe voltou a regredir. Um bom carro em 2017 é crucial para mudar os rumos de uma equipe que hoje sofre até para superar a Force India. Que o aniversário de 40 anos sirva para inspirar os britânicos.

Últimas Notícias
segunda-feira, 26 de junho de 2017
F1
F1
F1
F1
Superbike
MotoGP
Nascar
F1
Nascar
MotoGP
MotoGP
F1
F1
MotoGP
F1
Galerias de Imagens
Facebook