F2
26/11/2016 13:47

Gasly aproveita pole, vence corrida 1 da final da GP2 em Abu Dhabi e coloca mão na taça. Giovinazzi é 5º

Pierre Gasly teve uma atuação bastante tranquila em Abu Dhabi. O francês o tempo todo manteve bom ritmo, venceu com facilidade e ainda viu o rival Antonio Giovinazzi chegar apenas em quinto. Agora, Gasly tem 14 pontos de vantagem e uma mão na taça
Warm Up
GABRIEL CURTY, de São Paulo
 

Pierre Gasly deu um passo fundamental para o título da temporada 2016 da GP2. O francês reverteu completamente a vantagem de Antonio Giovinazzi, venceu a corrida 1 em Abu Dhabi neste sábado (26) e, agora, leva 12 pontos de vantagem para a prova complementar de domingo.

Nobuharu Matsushita foi uma boa surpresa da corrida. O japonês andou bem o tempo inteiro com os pneus médios e, no fim, de supermacios, segurou bem as investidas de Artem Markelov para fechar no segundo posto.

Sergey Sirotkin teve atuação apagada e fechou a corrida em quarto, seguido por Norman Nato, que ainda acabou punido. Preso atrás do francês, Giovinazzi chegou em sexto e se complicou na luta pelo título, ainda que tenha herdado o quinto lugar. Agora, o italiano precisa buscar os 17 pontos com vitória e volta mais rápida no domingo, torcendo para Gasly ficar abaixo do quinto posto.

Johnny Cecotto Jr. teve atuação inspirada e chegou em sétimo, seguido por Alex Lynn, que foi prejudicado por um péssimo pit-stop da Dams. Nicholas Latifi completou em nono, com Raffaele Marciello em décimo.
Pierre Gasly venceu e colocou a mão na taça (Foto: GP2 Media)
Confira como foi a corrida 1 da GP2 em Abu Dhabi:

A largada para a corrida 1 do final de semana decisivo da GP2 aconteceu às 12h44 (em Brasília). Pierre Gasly fez uma grande saída, enquanto Sergey Sirotkin e Nobuharu Matsushita quase se enroscaram na briga pelo segundo lugar. Oliver Rowland e Artem Markelov apareciam atrás, com o líder do campeonato Antonio Giovinazzi seguindo em sexto.

Apesar de largar muito bem e rapidamente abrir terreno para o restante, Gasly não fez uma primeira volta espetacular e teve de segurar os ataques de Sirotkin. Daniël de Jong, lá atrás, rodava no meio da confusão, enquanto Norman Nato e Alex Lynn brigavam duro pelo sétimo lugar.

Pelo toque em cima de De Jong, Nabil Jeffri logo recebeu a punição de 10s. Na frente de todo mundo, Gasly começava a voar e sumia na ponta. Lento com os supermacios, Sirotkin criava um grande pelotão, com Matsushita, Rowland, Markelov, Giovinazzi, Lynn e Nato.

Também sofrendo com o desempenho dos pneus de faixa vermelha, Giovinazzi foi ficando para trás, virando presa fácil para o ataque de Lynn, que tomou o sexto lugar.

Antevendo os problemas que os supermacios podiam trazer, Gasly foi bem cedo aos boxes, calçando os pneus médios na volta 7. Giovinazzi ainda seguia na pista e despencava no pelotão, só parando no oitavo giro.

Forte candidato ao pódio, Rowland abandonou menos de duas voltas após fazer sua parada. Louis Delétraz era outro que deixava a disputa, após a Carlin errar nos boxes, bem como Gustav Malja e Sean Gelael, que se chocaram.

Quem havia largado com os pneus médios seguia na pista, o que deixava Gasly na décima posição. O francês, porém, não demorou para superar Emil Bernstorff e Philo Paz Armand, pulando para oitavo.

O top-10, que tinha apenas Gasly com pit-stop feito, estava assim formado na volta 12: Matsushita, Lynn, Raffaele Marciello, Luca Ghiotto, Johnny Cecotto Jr, Sergio Canamasas, Gasly, De Jong, Armand e Bernstorff. No giro seguinte, Cecotto fez linda manobra para superar Ghiotto, subindo para quarto.

Buscando reagir no fim do pelotão, Giovinazzi superou Nicholas Latifi e foi para 14º, mas ainda aparecia 10s distante do top-10, que tinha Sirotkin na última posição de pontos. 

Os pilotos da Russian Time viviam momentos bem distintos na prova. Enquanto Marciello perdeu o terceiro lugar para Cecotto, Markelov seguia escalando o grupo e surgia em oitavo, já com pit-stop feito.

Na volta 22, Gasly se livrou de um risco considerável. O francês tirou da frente o sempre imprevisível espanhol Canamasas, tomando a sexta colocação e partindo para a perseguição a Ghiotto. Os cinco primeiros já começavam a ficar sem pneu. Giovinazzi, enquanto isso, era 12º, mas aparecia próximo de De Jong e Nato, já no top-10.

Gasly seguiu recuperando terreno e, na volta 24, superou também Ghiotto, entrando no top-5. Na frente, a vantagem de Marciello no quarto lugar não era das maiores. Rival na briga pelo título, Giovinazzi vinha em 11º, menos de 2s atrás de Nato. No giro seguinte, Gasly também tirou Marciello do caminho.
O mecânico de Ghiotto quase terminou a lambança que fez sendo atropelado (Foto: Reprodução/Twitter)
O final da volta 25 viu as paradas dos líderes e um momento assustador nos boxes. Um mecânico de Ghiotto deixou o pneu rolar até o meio dos boxes e, tentando evitar uma colisão, saiu correndo, escapando por pouco de um acidente feio com Marciello, que pisou no freio a tempo.

Outro que sofreu muito nos boxes foi Lynn. A Dams errou na hora de pressionar o pneu dianteiro direito e, assim, devolveu seu piloto em uma péssima nona posição. 

Gasly naturalmente assumiu a ponta, segurando 8s8 de frente para Matsushita e Markelov, que vinham colados. Sirotkin, Nato, Giovinazzi, Cecotto, Lynn, Latifi e Marciello completavam o top-10.

Gasly completou a corrida com muita calma para vencer, seguido por Matsushita e Markelov. Sirotkin chegou em quarto, enquanto Giovinazzi ganhou o quinto lugar por punição a Nato.


Últimas Notícias
sexta-feira, 15 de dezembro de 2017
Truck
Kart
Truck
Kart
MotoGP
F1
F1
Truck
Kart
MotoGP
F1
F1
F1
Kart
F1
Galerias de Imagens
Facebook