Indy
17/02/2015 20:19

Governador do Distrito Federal considera fazer concessão do autódromo Nelson Piquet para iniciativa privada

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) visitou o autódromo Nelson Piquet junto do presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal, Renato Rainha, na última semana e afirmou estar pensando em ceder administração do local para a iniciativa privada
Warm Up
Redação GP, do Rio de Janeiro
Sem rumo certo, o autódromo de Brasília pode ficar nas mãos da iniciativa privada. Em meio a obras paradas, com boxes estraçalhados e pista basicamente inexistente, o futuro do circuito é incerto desde o cancelamento da prova da Indy que aconteceria em março.
 
O governador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e o presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal, Renato Rainha, visitaram o autódromo na última quinta-feira (12) para inspecionar em que ponto as obras foras paralisadas. E o mandatário da Capital Federal confirmou que está considerando ceder a administração do local para a iniciativa privada.
 
"Estamos analisando a possibilidade de fazer parcerias, de fazer uma concessão do autódromo à iniciativa privada, mas permanecendo como equipamento público", disse Rollemberg ao portal 'UOL Esporte'.
 
Júlio César Reis, diretor-técnico e de fiscalização da empresa responsável pelas obras, a Terracap, avaliou a situação. Disse que o primeiro objetivo é desligar as obras no autódromo de qualquer acordo com o Grupo Bandeirantes.
Obras no autódromo Nelson Piquet para a chegada da Indy em Brasília murcharam completamente (Foto: Sandro Macedo)
"Nosso objetivo é desvincular a reforma da questão do contrato entre a Terracap e a empresa televisiva", explicou.
 
"Daqui para a frente, tudo será novo. Queremos fazer novos pregões, assinar novos contratos e fazer tudo com transparência", afirmou o presidente da Terracap, Alexandre Navarro.
 
As obras no autódromo Nelson Piquet estão paradas desde 29 de janeiro, quando o acordo para a realizção da abertura de temporada da Indy no local foi cancelado.

ENTENDA O CASO

 
A defesa da Terracap era um documento do Ministério Público, citando 23 razões para a corrida não acontecer, indicando que o contrato entre Band e Terracap era "lesivo aos cofres públicos", "contrário aos interesses coletivos" e "maculado de diversas irregularidades", entre outas coisas.
 
A multa de mais de R$ 70 milhões por quebra de contrato deveria ser paga pelo Governo do DF, mas como irregularidades como o Termo de Compromisso firmado entre o Grupo Bandeirantes e o ex-governador Agnelo Queiroz (PT-DF) com data desconhecida e sem assinatura de testemunha e publicação no Diário Oficial do Distrito Federal, o MPDF entende que o estado se livra da multa.
 
Agnelo saiu do Governo deixando para trás uma dívida exorbitante e situações de emergência na saúde e segurança pública.
 
Após o cancelamento, a Indy chegou a procurar guarita em Goiás, testando a possibilidade de que o autódromo mais próximo ao de Brasília recebesse a corrida, mas logo foi descartada. A etapa brasileira foi mesmo cancelada.

Em comunicado, a Band afirmou que a medida partiu do atual governador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e não recebeu qualquer aviso prévio. E garantiu que irá procurar medidas para ressarcir prejuízos.

A Bandeirantes afirmou que o cancelamento partiu do atual governador Rodrigo Rollemberg e que, antes disso, nenhum aviso prévio havia sido feito. A emissora criticou também a forma como a reforma foi paralisada, deixando a pista completamente destruída. 
 
O comunicado foi finalizando agradecendo os parceiros e dizendo que a Bandeirantes vai tomar medidas cabíveis, inclusive para ressarcir seus prejuízos. 

 


Últimas Notícias
sábado, 18 de novembro de 2017
Motociclismo
World Series
Stock Car
MotoGP
Superbike
F3
Turismo
F1
F1
F1
Motociclismo
sexta-feira, 17 de novembro de 2017
F1
Nascar
Brasileiro de Marcas
Brasileiro de Turismo
Galerias de Imagens
Facebook