Lançamentos F1
02/02/2013 14:43

Projetista da Sauber diz que batida de Pérez inspirou parte do projeto do C32 e considera DRS passivo

Matt Morris, projetista-chefe da Sauber, disse que as grandes novidades do C32 em relação ao seu antecessor estão no sistema de freios, além de entradas laterais de ar mais compactas e de um chassi um pouco mais leve
Warm Up
Redação GP, de Sumaré

► Confira as imagens do C32, carro da Sauber para a temporada 2013 da F1
► O que achou do C32 da Sauber? Comente no Facebook do GP

Responsável direto pelo projeto do C32, Matt Morris, projetista-chefe da Sauber, falou sobre as semelhanças e diferenças do novo modelo em relação ao bem-sucedido carro de 2012, o C31, que levou a escuderia suíça a quatro pódios e ao sexto lugar no Mundial de Construtores. O britânico tem uma duríssima missão pela frente, afinal, coube a ele entregar um carro que mantenha a Sauber em curva ascendente na temporada 2013.

Morris explicou as grandes mudanças que o novo carro, apresentado neste sábado (2), tem em relação ao seu antecessor, incluindo a possibilidade de que o bólido tenha o sistema de DRS passivo. Entre as outras alterações, está a adoção de sidepods — entradas laterais de ar — mais compactos do que o C31. A explicação para a mudança no conceito da peça foi curiosa. Morris remeteu ao acidente sofrido por Sergio Pérez na classificação do GP de Mônaco de 2011. Na ocasião, o mexicano, hoje na McLaren, perdeu o controle na saída do túnel e bateu com a lateral do C30 no softwall, destruindo o carro.

O Sauber C32 traz mudanças consideráveis em relação ao bem-sucedido C31 (Foto: Getty Images)

“’Checo’ teve um grave acidente em Mônaco há alguns anos. Quando o carro chegou de volta [aos boxes], vimos o sidepod todo esmagado. Então nós pensamos. ‘Nós poderíamos fazer isso?’”, comentou o engenheiro, que, em nome da redução de peso do chassi, reduziu o tamanho dos sidepods em quase 50%.

“Os sidepods são ousados, de design arrojado, mas estamos todos muito confiantes. Um dos nossos grandes desafios foi [encontrar uma forma de] abrigar os radiadores. Como a maioria das coisas na Suíça, entregamos tudo em tempo”, explicou o responsável pelo projeto da Sauber.

Morris também comentou sobre o que o C32 traz de novo e o que nem é tão novo assim. “Nós temos um sistema de freios totalmente novo, nós o testamos no ano passado. Em termos de chassi, essa é uma área em que gastamos muito tempo e esforço para reduzir o peso. Fizemos algumas economias sem comprometer a segurança”, disse. “O escapamento não é muito diferente do que nós terminamos o ano passado, apenas mais reforçado. A asa dianteira é predominantemente a mesma do ano passado”, disse.

O projetista-chefe lembrou que o C32 foi submetido a testes intensos de flexibilidade da asa dianteira. “Uma das pequenas mudanças nas regras é a adição de uma verificação de legalidade na asa dianteira, então gastamos muito tempo mudando a estrutura da asa para ter a certeza que nós fomos aprovados. Isso foi algo que nos custou muito tempo durante o desenvolvimento [do C32] no inverno”.

Sobre o DRS passivo, que deve ser usado por boa parte das equipes nesta temporada, a Sauber inicia sem o dispositivo aerodinâmico, mas considera a possibilidade de adotá-lo ao longo dos testes de inverno, que começarão na próxima terça-feira (5), em Jerez de la Frontera. “O DRS passivo é permitido, então esta é uma área que estamos prestando atenção para o desenvolvimento ao longo dos testes de inverno”, finalizou Morris.

Últimas Notícias
domingo, 30 de abril de 2017
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
Indy
Galerias de Imagens
Facebook