Mitsubishi
06/09/2016 00:50

Experiência no Dakar ajuda Equipe Mitsubishi Ralliart Brasil no desafiador segundo dia do Rali dos Sertões

A segunda especial do Rali dos Sertões de 2016 teve passagem pelo icônico Rio Bagagem e muitos desafios pelas serras goianas, começando em Pedro Bernardes e acabando em Cavalcante
Warm Up
Redação GP, de São Paulo
A cada dia, o Rali dos Sertões revela surpresas e desafios inesperados. O segundo, realizado nesta segunda-feira (5), cumpriu a promessa da organização de ser um dos mais difíceis dessa edição. 
 
"Foi uma especial bem exigente e a experiência que adquirimos no Rali Dakar, Rali do Marrocos e outras provas que já fizemos ajudou bastante. Os primeiros 100 km foram muito duros e viemos em um ritmo bem forte. Colocamos o ASX Racing à prova extrema", explicou Guiga Spinelli.
 
"Até que quebraram os parafusos de uma das rodas. Ainda não sabemos o motivo, pois a equipe conferiu o aperto antes da largada. Conseguimos consertar, mas perdemos muitos minutos e saímos na poeira dos outros carros", disse o piloto, que garantiu o sétimo tempo de hoje.
 
A prova teve mais de 300 km de especial, com longas retas e estradas de fazendas bem estreitas, sinuosas e com muitas lombas e lombadas. A prova passou por uma região montanhosa, com muitas pedras, lajes e zonas de trial com grandes erosões. Além disso, teve a passagem pelo icônico Rio Bagagem, que já esteve presente em outras edições do Rali dos Sertões. "É um rio com pedras grandes no fundo e tem que tomar muito cuidado. É largo e não muito fundo, com a água transparente", falou Guiga. O Rio Bagagem fica no município de Niquelândia é e um dos formadores do lago da hidrelétrica de Serra da Mesa. 
Segunda especial do Sertões foi muito exigente (Foto: Marcelo Maragni/Mitsubishi)
"Quanto pior foi o rali daqui pra frente, melhor para nós. Não temos nada a perder", garantiu o navegador Youssef Haddad. "Vamos aproveitar os últimos cinco dias para desenvolver ainda mais o ASX Racing e ver os resultados a cada etapa. Hoje a especial foi muito completa, parecia um dia de Dakar pela quilometragem e complexidade", completou.
 
06/09 - Etapa 3 - Cavalcante-GO/Posse-GO
Deslocamento inicial: 22,95 km
Trecho especial: 376,41 km
Deslocamento final: 244,12 km
Total do dia: 643,48 km
 
O terceiro dia terá uma especial muito técnica e complicada. No início, haverá estradas sinuosas, com muitas erosões e depressões. A prova prossegue por uma região montanhosa, com muitas subidas e descidas fortes e com trechos de trial. A prova se mantém sinuosa por estradas menores, alternando entre média e alta velocidade, com muita navegação até o último trecho, onde a velocidade aumenta e segue assim até o final. O piso predominante é o de cascalho, porém, com muitas pedras, estradas de piçarra e pequenos trechos de areia.
 
"Será uma especial muito parecida e com subidas de serra. O agravante será o longo deslocamento final, de 245 quilômetros. Isso irá atrapalhar muito o dia e a equipe terá que trabalhar durante a noite", afirmou Youssef.
 
PADDOCK GP #44 DEBATE VITÓRIAS DE ROSBERG EM SPA E DE RAHAL NO TEXAS



Últimas Notícias
sábado, 21 de outubro de 2017
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
Brasileiro de Marcas
Stock Car
F1
Stock Car
F1
F1
F1
Stock Car
Galerias de Imagens
Facebook