MotoGP
21/09/2017 15:30

Sem vaga na MotoGP para 2018, Baz mira retorno ao Mundial de Superbike e revela negociação com Honda

Fora da MotoGP na temporada 2018, Loris Baz agora foca em voltar ao Mundial de Superbike. Francês da Avintia revelou que está negociando com a Honda
Warm Up
Redação GP, de São Paulo

Loris Baz perdeu sua vaga na MotoGP. Dias após oficializar a contratação de Tito Rabat, a Avintia anunciou nesta quinta-feira (21) a chegada de Xavier Siméon, promovido da Moto2 graças a um importante aporte financeiro.
 
Ao contrário de Héctor Barberá, que acertou a descida para a Moto2 com a Pons, Baz ainda tenta definir seu próximo passo e vê o Mundial de Superbike como seu principal alvo.
 
Na classe rainha do Mundial de Motovelocidade desde 2015, Baz tem como melhor resultado um quarto lugar em Brno no ano passado. Hoje, o francês guia uma Ducati GP15 e ocupa a 15ª colocação na classificação.
Loris Baz ficou sem vaga na MotoGP para 2018 (Foto: Avintia)

“Nós trabalhamos duro, todos, para manter a vaga, mas o lado esportivo e os resultados não foram as únicas coisas sendo levadas em conta. Nós tentamos nosso melhor e é isso”, disse Baz. “Estou orgulhoso do que fizemos, porque se você voltar três anos, não foi fácil chegar aqui. No início, não tinha muita gente que acreditava que eu podia pilotar o moto de MotoGP por causa do meu tamanho e tudo mais. Então acho que mostramos que sou capaz de fazer isso”, continuou.
 
“Só tenho 24 anos, mesmo que já tenha três anos de experiência na Superbike e três aqui na MotoGP na minha carreira. Acho que tenho tempo para voltar para cá”, comentou.
 
Questionado sobre quais suas opções no Mundial de Superbike, Baz lembrou que as motos vencedoras ― basicamente Kawasaki e Ducati ― já estão ocupadas, mas contou que negocia com a Honda, que é operada pelo time de Ronald ten Kate.
 
“As motos vencedoras desta temporada estão todas tomadas, mas estamos procurando o melhor projeto. Estamos conversando com alguns times, como a Ten Kate. Acho que isso seria uma coisa legal, trabalhar com um time como eles e levá-los a vencer novamente, porque foi um time vencedor por muitos anos”, avaliou. “Agora eles estão com um pouco de dificuldade, mas acho que fui rápido na Superbike, conheço a maioria das pistas e o campeonato, também os pneus. Não mudou muita coisa desde que eu saí. Então pode ser uma coisa boa. Mas também estamos falando com outras pessoas e tentando encontrar a melhor vaga”, insistiu.
 
’SOLDADINHO’ DA PENSKE?

CASTRONEVES TEM FALTA DE TÍTULO COMO MANCHA NA CARREIRA  
 

Últimas Notícias
segunda-feira, 23 de outubro de 2017
F1
Copa Grande Prêmio
F1
F1
F1
F1
F1
MotoGP
F1
F1
Nascar
F1
F1
Nascar
F1
Galerias de Imagens
Facebook