Outras
13/02/2017 11:20

Campeão da GP2, Gasly acerta com equipe apoiada pela Honda para disputa da Super Formula em 2017

A Mugen será a equipe defendida por Pierre Gasly neste ano em que o francês, campeão da GP2, vai se manter em atividade enquanto espera por uma chance na F1. O jovem piloto ligado ao programa de desenvolvimento da Red Bull vai seguir os passos do belga Stoffel Vandoorne, hoje titular da McLaren
Warm Up
Redação GP, de Sumaré
 
Ainda em janeiro, a Red Bull já havia confirmado a ida de Pierre Gasly para a Super Formula, importante categoria de monopostos com base no Japão. Faltava, contudo, saber a equipe a ser defendida pelo francês, campeão da GP2 no ano passado. Mas nesta segunda-feira (13), a Honda anunciou que Gasly vai defender a Mugen na temporada 2017. O jovem da Red Bull vai seguir os passos de Stoffel Vandoorne e se manter em ritmo de corrida no Japão enquanto espera por uma oportunidade para virar titular da F1.
 
Gasly vai ser companheiro de equipe de Naoki Yamamoto na Mugen. A Honda também anunciou os seus outros pilotos na Super Formula Japonesa. A Nakajima, equipe do lendário ex-piloto japonês Satoru Nakajima, terá como um dos seus pilotos Daisuke Nakajima, filho mais novo de Satoru e irmão de Kazuki Nakajima, hoje piloto da Toyota no Mundial de Endurance.
 
A novidade na equipe de Nakajima foi a contratação do veterano indiano Narain Karthikeyan. Com passagem apagada na F1, o piloto vai ocupar a vaga deixada por Bertrand Baguette, ex-Indy, que neste ano vai correr na Super GT. O brasileiro João Paulo de Oliveira também integra o grid da Super GT japonesa.
Pierre Gasly foi apresentado como piloto da Mugen na Super Formula em 2017 (Foto: Honda Racing)
Takuya Izawa e Tomoki Nojiri vão correr pela Docomo Dandelion, equipe defendida por Vandoorne no ano passado. A Real Racing fechou com Koudai Tsukakoshi, enquanto Takashi Kogure vai acelerar pela B-Max.
 
Embora tivesse o desejo de estar na F1 no grid nesta temporada, Gasly se conformou com a chance de correr na Super Formula. Ao menos, o francês vai ter mais chances de trabalhar coo reserva e terceiro piloto da Red Bull, sendo parte importante no desenvolvimento do novo RB13 ao longo da temporada 2017.
 
“Este é um grande novo desafio para mim e é exatamente isso que eu amo”, disse Gasly. “Tudo vai ser muito diferente, não tenho experiência com o carro ou com as pistas e sei que a cultura japonesa, a filosofia, a maneira de trabalhar, tudo é diferente. De certa forma, estou seguindo o que Stoffel Vandoorne fez no ano passado antes de entrar na F1. É mais experiência para somar à campanha da GP2 do ano passado”, frisou.
 
“Também estou realmente satisfeito por ser terceiro piloto na Red Bull Racing por mais uma temporada, por trabalhar próximo a Max e Daniel, ganhar mais experiência sobre o funcionamento do time, como eles se comportam nos GPs”, listou. “Tem muita coisa para aprender sobre o novo carro e o novo regulamento. É tudo muito valioso”, comentou.
 
“Acho que a Super Formula vai ajudar com isso. Um pouco menos de potência do que o carro da GP2, então mais lento em linha reta, mas com mais aerodinâmica, portanto mais veloz nas curvas, e isso também se relaciona ao carro deste ano da F1. Vai ser muito interessante ver a comparação de tudo isso”, declarou. “Estou indo para a temporada da Super Formula com muito pouco teste, então não vai ser nada fácil: um carro e seis novas pistas para aprender”, reconheceu. 
 
“Ainda vou ficar baseado na Europa e voar para o Japão para as corridas lá e o meu trabalho com a Red Bull Racing aqui. Vai ser um ótimo ano”, concluiu Gasly.
 

PADDOCK GP #64 RECEBE FELIPE GIAFFONE E DEBATE CRISE NA F-TRUCK

Últimas Notícias
quarta-feira, 22 de março de 2017
F1
F1
F1
F1
F1
F1
F1
MotoGP
Indy
Rali
F1
F1
F1
F1
F1
Galerias de Imagens
Facebook