Stock Car
20/04/2017 12:50

Embalada por dobradinha em Goiânia, TMG/Shell Racing busca manter boa fase na Stock Car em pista ‘atípica’ do Velopark

A segunda etapa da temporada 2017 da Stock Car será disputada em um circuito de características muito particulares: o mais curto de todo o calendário e também com uma pista muito estreita, o que lembra muito um kartódromo. Na pista, a equipe chefiada por Thiago Meneghel almeja manter o bom momento depois da vitória de Ricardo Zonta e o segundo lugar de Átila Abreu na corrida 2 em Goiânia
Warm Up
FERNANDO SILVA, de Sumaré
 

Três semanas depois da abertura da temporada 2017 da Stock Car, a principal categoria do automobilismo brasileiro já está no Rio Grande do Sul para a segunda rodada dupla do ano, a ser disputada no próximo domingo (23). Embalada e muito motivada pelo resultado logrado na corrida 2 da etapa de Goiânia, com Ricardo Zonta faturando uma vitória emocionante e Átila Abreu consolidando a dobradinha, a TMG/Shell Racing chega ao Velopark com a meta de manter o bom momento e seguir entre as ponteiras. Contudo, o circuito localizado em Nova Santa Rita, na região metropolitana de Porto Alegre, compreende características completamente distintas da maioria dos circuitos. 
 
A começar pela extensão do traçado. O circuito do Velopark é o mais curto do calendário, com 2.278 m e é composto por retas curtas alternadas a freadas fortes, lembrando muito um kartódromo também por se tratar de uma pista estreita e cercada por muros. Assim, as diferenças bastante curtas, habituais na Stock Car, tendem a ser ainda mais apertadas no circuito gaúcho.
 
Outro fator que torna o Velopark um desafio a mais aos pilotos é que, pelo fato de ser uma pista com retas curtas, praticamente não há espaço para os pilotos ‘descansarem’. Desta forma, o desgaste físico e mental é um complicador a mais para quem está dentro do carro. Da mesma maneira, não há espaço para obter uma maior refrigeração dos freios, ainda mais em uma categoria que costuma andar tão no limite como sempre é a Stock Car.
A TMG/Shell Racing chega ao Velopark embalada pela dobradinha em Goiânia (Foto: José Mario Dias/Shell Racing)
Na esteira da expectativa de outro fim de semana competitivo depois de um começo de temporada tão competitivo e promissor em Goiânia, a TMG/Shell Racing chega ao Velopark na segunda colocação no campeonato das equipes, com 57 pontos, apenas quatro a menos em relação a RC/Eurofarma. Na luta pelo título entre os pilotos, após duas corridas, Átila Abreu ocupa a terceira colocação e soma 37 pontos, contra 40 de Daniel Serra e 39 de Max Wilson. Ricardo Zonta surge em sétimo, com os 20 obtidos graças à vitória na corrida 2 no Autódromo Internacional Ayrton Senna.
 
Thiago Meneghel, engenheiro e chefe da equipe com base em Americana, interior de São Paulo, destacou as características bastante distintas do traçado gaúcho e ressaltou as dificuldades que estão por vir neste fim de semana.
 
“Esta é a pista mais atípica do calendário, com curvas de baixa e retas bem curtas. Tem as características mais de uma pista de rua do que de um autódromo, o que exige um acerto completamente diferente. Normalmente o Velopark é muito crítico para os freios nas corridas, pois o equipamento trabalha acima da temperatura ideal”, salientou Meneghel, que subiu ao pódio para erguer o troféu de equipe vencedora em Goiânia há três semanas, logo na estreia da parceria entre TMG e Shell Racing.
 
Zonta, mesmo motivado por ter conquistado uma vitória pra lá de emocionante e ter quebrado um jejum de mais de três anos sem subir no topo do pódio, lembrou que a caminhada ainda está no início, mas também destacou que as características do Velopark podem ajudar a equipe ao longo do fim de semana.
Thiago Meneghel destacou as peculiaridades do traçado incomum do Velopark  (Foto: José Mario Dias/Shell Racing)
“No Velopark, por ser a segunda etapa com a equipe, estaremos mais conectados e com um relacionamento cada vez mais próximo para entender o que precisamos melhorar. Mesmo vindo de uma vitória, sabemos que temos muito a progredir”, ressaltou o paranaense. “Uma pista curta com muito trânsito, acredito que o carro da nossa equipe ande ainda melhor por haver curvas lentas”, acrescentou Zonta.
 

O piloto, contudo, lembra que o tráfego pode ser um problema a mais no treino classificatório. Neste novo modelo adotado pela Stock Car em 2017, o Q1 é formado por dois grupos de 15 pilotos cada, que têm oito minutos de pista para buscarem os melhores tempos. Os 15 melhores no combinado dos dois grupos avançam para o Q2, que junta os 15 mais rápidos para mais oito minutos de pista. Os seis mais rápidos seguem para o Q3 e a consequente luta pela pole. Apenas neste segmento cada piloto tem a pista livre para duas voltas lançadas na busca pela posição de honra do grid.
 
“O novo modelo de classificação pode ser um problema de conseguir uma volta limpa sem trânsito”, alertou Zonta.
 
Átila tem boas lembranças do traçado do Velopark. Em 2011, na antiga formação da equipe americanense, que ainda se chamava AMG, venceu uma prova conquistada de maneira incomum, assumindo a liderança apenas no fim da disputa. No ano passado, o sorocabano conquistou seu primeiro pódio representando a Shell Racing depois de travar um intenso duelo com Felipe Fraga, chegando em terceiro lugar na corrida em Nova Santa Rita.
 
“O Velopark é uma pista que eu gosto muito, apesar de ser completamente diferente das outras do calendário. É como se fosse um kartódromo grande, mas tem o estilo que eu gosto, com curvas travadas, retas curtas, o que exige um bom trabalho do piloto”, comento Átila, que ressaltou o bom histórico no traçado gaúcho.
 

“Sempre consegui uma boa adaptação lá. Em 2011, teve a vitória em que eu menos liderei na minha carreira e que é inesquecível, e no ano passado teve o primeiro pódio com a Shell Racing. Então estamos muito animados para continuar o que começou muito bem em Goiânia”, completa o interiorano.

A previsão do tempo para o fim de semana na região metropolitana de Porto Alegre é mista. Na sexta-feira, segundo informa o 'Climatempo', há grande possibilidade de chuva durante todo o dia, com a temperatura ambiente variando entre 18 e 24ºC. O frio tende a ser um pouco mais intenso no sábado e domingo, com a mínima para o dia da corrida podendo chegar aos 12ºC. Não há, contudo, previsão de chuva para os dias que completam o fim de semana em Nova Santa Rita.
Átila define o traçado do Velopark como um 'kartódromo grande' pelas suas peculiaridades (Foto: Fabio Davini/Vicar)
A programação da segunda etapa da Stock Car 2017 começa na sexta-feira com a disputa do primeiro treino livre, a partir de 12h30 (hora de Brasília), com uma hora de pista para cada grupo de 15 pilotos. A principal categoria do automobilismo brasileiro volta ao Velopark no sábado pela manhã para a segunda sessão de treinos livres, a partir das 9h, desta vez com 40 minutos de pista para cada grupo e transmissão ao vivo pelo canal da Stock Car no YouTube e na página do GRANDE PRÊMIO.
 
O treino classificatório que vai definir o grid de largada da corrida 1 no Velopark acontece às 13h e terá transmissão ao vivo pelo canal por assinatura SporTV 2. A segunda rodada dupla de 2017 na Stock Car começa no domingo com a disputa da primeira corrida do fim de semana, com largada prevista de 13h, 40 minutos de duração e mais uma volta. A prova derradeira do fim de semana acontece às 14h10, com igual duração. A rodada dupla também vai contar com transmissão ao vivo pelo SporTV 2.

PADDOCK GP #74 DEBATE: QUAIS OS PILOTOS COM POTENCIAL DE FUTURO CAMPEÃO MUNDIAL DE F1?



Últimas Notícias
quinta-feira, 21 de setembro de 2017
Nascar
F1
MotoGP
F-E
F1
F1
MotoGP
Indy
MotoGP
F1
F1
F1
F1
MotoGP
quarta-feira, 20 de setembro de 2017
MotoGP
Galerias de Imagens
Facebook